Venezuela: Chávez diz que relações com Espanha foram congeladas

Venezuela: Chávez diz que relações com Espanha foram congeladas

 

Lusa / Ao online   Internacional   25 de Nov de 2007, 21:16

O Presidente venezuelano Hugo Chávez garantiu hoje que até que o rei Juan Carlos de Espanha lhe apresente desculpas pelo incidente no encerramento da cimeira Ibero-americana, as relações com Madrid serão congeladas.
    A garantia foi feita durante a cerimónia realizada hoje em Maracaíbo, em que anunciou igualmente o congelamento das relações com a vizinha Colômbia.

    "É como o caso de Espanha. Até que o rei de Espanha se desculpe, eu congelo as relações com Espanha, porque aqui há dignidade... dignidade", frisou Chávez, que continua a reafirmar, desde a cimeira Ibero-americana, em Santiago do Chile, que Juan Carlos lhe deve pedir desculpa por o ter interpelado com "porque é que não te calas" quando o presidente venezuelano insistia em interromper o primeiro-ministro espanhol, José Luís Zapatero, acusando o anterior chefe do governo de Madrid, José Maria Aznar de "fascista".

    Na cerimónia realizada hoje em Maracaíbo, 700 quilómetros a Oeste de Caracas e a apenas 30 quilómetros da fronteira com a Colômbia, Chávez anunciou que tinha decidido congelar as relações com Bogotá, na sequência da anulação pelas autoridades colombianas do seu mandato de mediação na questão dos reféns da guerrilha colombiana.

    "Declaro ao mundo que coloco as relações com a Colômbia no congelador. Já não acredito em ninguém no governo colombiano", disse Chávez.

    No sábado, Hugo Chávez tinha já declarado que se sentia "traído" pela decisão de Álvaro Uribe em lhe retirar a mediação no conflito que opõe Bogotá à guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbias (FARC), designadamente no processo para a troca entre 500 guerrilheiros presos e um grupo de 45 reféns, entre as quais a franco-colombiana Ingrid Betancourt e três norte-americanos, um deles luso-americano.

    A decisão (de Uribe) "vai afectar as relações bilaterais", sentenciou então Chávez.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.