Uma em cada três japonesas solteiras querem ser domésticas

Uma em cada três japonesas solteiras querem ser domésticas

 

Lusa/AO online   Internacional   25 de Set de 2013, 12:38

Uma em cada três mulheres japonesas solteiras querem dedicar-se só a atividades domésticas depois do casamento, indica um estudo do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem Estar nipónico.

Já 38,5% responderam que não queria abandonar o mercado laboral e ser doméstica a tempo inteiro, de acordo com a sondagem publicada pelo diário Mainichi.

O resultado contrasta com os objetivos recentemente delineados pelo primeiro-ministro, Shinzo Abe, no âmbito do programa de reformas económicas, de acordo com o qual 30% dos cargos de responsabilidade sejam ocupados por mulheres até 2020.

Para 45% dos japoneses, entre os 15 e os 39 anos, o papel das mulheres é ocupar-se dos filhos e da casa. Mesmo em detrimento das carreiras, de acordo com 60% dos inquiridos.

"As mulheres têm outras coisas para fazer além do que trabalhar fora de casa, como tarefas domésticas e a educação das crianças", disseram 61% dos inquiridos.

Mesmo se o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Governo japonês pensam que a economia do país só poderá melhorar consistentemente se a taxa de atividade das mulheres aumentar, as jovens nipónicas continuam a ver o trabalho fora de casa como pouco recompensador.

A causa é que as empresas tendem a destacar as mulheres para tarefas subalternas e, por vezes, desencorajantes.

Atualmente, apenas 2,6% dos diretores japoneses são mulheres, enquanto 4,6% ocupam postos de gestão, de acordo com dados de 2012 difundidos pela Associação de Empresários nipónicos. Só 11% dos deputados japoneses são mulheres.

Na mesma sondagem, apenas um em cada cinco homens solteiros (19,3%) disseram ser a favor de que a futura mulher trabalhe fora de casa e 30,2% responderam que não queriam que a companheira saísse do mercado de trabalho.

A sondagem realizou-se em março, numa amostra de 3.133 indivíduos.

Embora a participação da mulher, em todos os aspetos da vida social japonesa, tenha aumentado progressivamente, a industrialização acabou por tornar socialmente aceite, durante boa parte do século XX, que apenas o homem tivesse um trabalho remunerado e a mulher ficasse exclusivamente dedicada à casa, à gestão das finanças familiares e às crianças.

De acordo com dados deste ano da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), cerca de 60% das mulheres japonesas abandona o trabalho depois de terem o primeiro filho.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.