Uma batalha de dez anos para tornar Lisboa moderna aos olhos dos estrangeiros


 

Lusa / AO online   Nacional   28 de Set de 2008, 12:24

Um dos espaços que ajudou a modificar a imagem que os estrangeiros têm de Lisboa comemora esta segunda-feira dez anos a animar as noites e madrugadas dos lisboetas e não só.
    A 29 de Setembro de 1998, penúltimo dia da Expo'98, abriu portas em Lisboa o Lux-Frágil, bar, discoteca e sala de concertos, que modificou o panorama da noite lisboeta e a maneira como os turistas vêm a capital portuguesa.

    O Lux é, para o director-geral da Associação de Turismo de Lisboa, Vítor Costa, "uma referência" na cidade, com "um papel importante na maneira como os estrangeiros percepcionam a capital portuguesa".

    "Tem sido um dos equipamentos que mais tem contribuído para a alteração na maneira como a cidade é vista, mudança que tem ocorrido nos últimos dez anos. Hoje em dia, Lisboa já é percepcionada como cosmopolita, moderna e 'trendy'", disse à Lusa.

    "O Lux tem sido muito importante para a linha que procuramos para promover Lisboa em termos internacionais", acrescentou.

    Se a abertura do espaço há dez anos teve impacto nos estrangeiros que visitam Lisboa e nas noites da capital, o mesmo não pode dizer-se em relação a quem mora e trabalha na zona onde o Lux está situado, Santa Apolónia.

    Joaquim Santos, morador na freguesia de Santa Engrácia há 44 anos, não notou grandes mudanças desde que o espaço foi inaugurado.

    "Vejo sempre as portas fechadas, só dou pela entrada das empregadas da limpeza de manhã. À hora em que as portas abrem já eu estou em casa", contou à Lusa.

    As opiniões dos comerciantes dividem-se, houve quem tivesse beneficiado com a abertura daquele espaço de diversão nocturna, mas outros nem por isso.

    "À noite as coisas mudaram. Mas com os clientes deles eu não me governo. Quem fica beneficiado é a 'roulotte' [situada em frente ao Lux e que vende comida e bebida durante a noite] e o parque de estacionamento", disse à Lusa Fernando Santana dono de um quiosque em Santa Apolónia há 22 anos.

    O comerciante referiu que por vezes há "confusão" de manhã, mas "é algo natural da malta nova".

    "Também já fui jovem, só que no meu tempo não havia discotecas", confessou.

    Já Manuel Pires e Maria Rosieri tiraram algum proveito da movimentação nocturna da zona.

    "Eles vêm cá de manhã tomar o pequeno-almoço, principalmente aos domingos. Às vezes aparecem uns mais alegres, mas tudo sem problemas. É malta fixe", relatou Manuel Pires.

    Já Maria Rosieri salienta que "a zona está melhor". "Agora param cá mais barcos, vieram mais lojas. Isto melhorou muito", disse.

    Também o presidente da Junta de Freguesia de Santa Engrácia, a que pertence o Lux, está satisfeito com a requalificação da zona ribeirinha, que define como "muito boa".

    "O Lux foi o primeiro e arrastou outros negócios. E tenho muito prazer que pertença à Junta que presido", disse.

    O autarca só tem pena que a maioria dos clientes daquele espaço de diversão nocturna não saiba que quando está no Lux está na freguesia de Santa Engrácia, uma das mais antigas da capital.

    As melhorias notadas por alguns, são vistas pelo arquitecto Leonel Fadigas, paisagista e urbanista, doutorado em Planeamento Urbanístico e Professor da Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa, como "uma ilha no meio de um território que foi limpo, mas não foi revitalizado".

    "Entre o centro da cidade e o Parque das Nações é terra de ninguém, e a dinâmica urbana deixou o Lux numa ilha. Em 1998 ainda se pensou que a revitalização daquela zona podia arrancar, mas afinal não", justificou.

    "Há naquele local uma potencialidade por explorar. Mas é um espaço que não está perdido", referiu o arquitecto que foi responsável da empresa municipal Ambelis, Agência para a Modernização Económica de Lisboa entretanto extinta.

    O décimo aniversário do Lux já começou a ser festejado dia 18 com a primeira de dez noites 10x10 com a actuação de DJs nacionais e estrangeiros.

    Até 20 de Novembro, todas as quintas, as noites no Lux serão de festa com actuações de DJs como Tiga, M.A.N.D.Y., Erol Alkan, Boys Noize e 2 Many DJs, entre outros.

    A grande festa de aniversário acontece já na segunda-feira, exactamente dez anos depois da festa de inauguração. Esta, ao contrário das outras dez noites, é apenas para convidados.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.