Açoriano Oriental
Trump evoca pela primeira vez hipótese de adiar eleições presidenciais

O Presidente norte-americano, Donald Trump, evocou esta quinta-feira, pela primeira vez, a possibilidade de adiar as eleições presidenciais de novembro, alegando a existência de riscos de fraude ligadas à pandemia de covid-19.

Trump evoca pela primeira vez hipótese de adiar eleições presidenciais

Autor: Lusa/AO Online

"Com o voto por correspondência […] 2020 terá as eleições mais inexatas e fraudulentas da história”, escreveu Trump na rede social Twitter.

"Será uma verdadeira vergonha para os Estados Unidos. Adiar as eleições até que as pessoas possam votar normalmente, com toda a segurança?”, acrescentou.

As datas de eleições federais – na terça-feira seguinte à primeira segunda-feira de novembro – é salvaguardada pela lei federal e exige uma lei do Congresso para que possa ser alterada.

A Constituição norte-americana, porém, é omissa quanto ao eventual adiamento da tomada de posse de um Presidente, normalmente realizada a 20 de janeiro, neste caso, de 2021.

Segundo reporta a agência noticiosa Associated Press (AP), não existe qualquer evidência de fraude no voto universal por correspondência, mesmo nos Estados em que o sistema funciona dessa forma.

Cinco Estados confiam exclusivamente no voto por correspondência e têm garantido que não é necessária qualquer salvaguarda para assegurar que um ator estrangeiro possa prejudicar a votação.

Segundo especialistas sobre a segurança de eleições, indicam especialistas, todas as formas de fraude são raras, incluindo a abstenção.

A AP refere que Trump tem vindo a intensificar a colocação de dúvidas sobre a realização da votação na data prevista, 03 de novembro, pondo igualmente em causa o recorrer ao voto por correspondência face ao novo coronavírus.

Trump já considerou que uma votação pelo correio constitui o “maior risco” para a sua reeleição.

A campanha de Trump e do Partido Republicano, que o apoia, tem tentado combater a prática nos vários discursos um pouco por todo o país.

Em junho, no Arizona, Trump disse a apoiantes isso mesmo: “está será, na minha opinião, a eleição mais corrupta da história” dos Estados Unidos.

Por outro lado, há várias semanas que Trump tem sido confrontado com sondagens muito desfavoráveis.

Em fins de abril, o seu rival, Joe Biden, candidato pelo Partido Democrata, previu que o Trump iria fazer tudo para adiar as eleições.

“Lembrem-se do que vos vou dizer: penso que [Trump] vai tentar adiar as eleições de uma ou de outra forma, vai tentar encontrar razões para que [a votação] não decorra” na data prevista, lançou, então, Biden.

Poucos dias mais tarde, e interrogado sobre as palavras de Biden, o Presidente cessante descartou essa possibilidade categoricamente.

“Jamais pensei em alterar a data. […] Porque faria isso?”, respondeu, evocando a “propaganda” do campo dos democratas.

O ‘tweet’ presidencial de hoje, evocando uma possibilidade de adiamento das eleições, foi enviado poucos minutos depois do anúncio de uma queda história do Produto interno Bruto (PIB) norte-americano no segundo semestre (-32,09%), fruto das consequências da covid-19.

 


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.