Açoriano Oriental
Tropas afegãs matam membro destacado do grupo extremista Estado Islâmico

O serviço de inteligência afegão diz ter matado um oficial de alto escalão do grupo extremista Estado Islâmico (EI) numa operação realizada no leste do Afeganistão.

Tropas afegãs matam membro destacado do grupo extremista Estado Islâmico

Autor: AO Online/ Lusa

Um comunicado divulgado no sábado pela Direção Nacional de Segurança, refere que Assadullah Orakzai era o líder dos serviços de inteligência do EI e foi morto por forças especiais perto de Jalalabad.

Orakzai era suspeito de estar envolvido em vários ataques mortais contra alvos militares e civis no Afeganistão.

Na semana passada, um relatório das Nações Unidas disse que o Afeganistão registou uma queda de 13% no número de civis mortos e feridos em violência em todo o país nos primeiros seis meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado.

A redução nas baixas é justificada, em parte, com a redução das operações das forças internacionais - que agora só atuam quando solicitadas e em apoio às forças afegãs - e também à diminuição do número de ataques do EI.

Segundo o relatório, a ONU registou 17 ataques do grupo extremista causando baixas civis durante os primeiros seis meses de 2020, contra 97 ataques no mesmo período do ano passado.

No geral, a ONU disse que 1.282 pessoas foram mortas em violência nos primeiros seis meses de 2020 no Afeganistão e 2.176 ficaram feridas.

Em março, um atirador solitário do EI invadiu um templo sikh, no coração da capital afegã, matando 25 fiéis e ferindo oito.

O atirador manteve muitos fiéis como reféns por várias horas, enquanto as forças especiais afegãs, ajudadas por tropas internacionais, tentaram evacuar o edifício. Pelo menos um dos mortos era uma criança.

Em poucas horas, o grupo extremista Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo ataque.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.