Sindicatos querem que governo respeite compromisso


 

Lusa/AOonline   Nacional   6 de Dez de 2008, 18:44

A Plataforma de Sindicatos de Professores apelou hoje ao Governo para que respeite o compromisso de acolher na reunião do dia 15 a proposta alternativa de avaliação dos professores em “pé de igualdade com a sua”.
   “O que o secretário de Estado Adjunto e da Educação disse não corresponde de forma nenhuma à verdade”, sublinhou Mário Nogueira em conferência de imprensa em Coimbra, frisando que se assim fosse não teriam sido suspensas as greves regionais da próxima semana, nem teria sentido a referida reunião negocial.

    Segundo o dirigente, os sindicatos estão a dar espaço para se encontrar uma solução negociada para o conflito, “esperando que o Governo seja capaz de dar também esse espaço”.

    “Todos temos de estar com seriedade. Só pode haver consenso quando as partes se respeitam”, frisou, acrescentando que os sindicatos, embora procurem o diálogo, não deixarão de retomar as lutas se for necessário, porque as greves apenas estão suspensas.

    Ao justificar a conferência de imprensa desta tarde em Coimbra, Mário Nogueira disse que ela visou “esclarecer o país e apelar ao Ministério da Educação para que todos respeitem o que foi decidido”.

    “Apelo ao Ministério da Educação para que tenha o mesmo sentido de responsabilidade. Nós quisemos dar um sinal de que queremos resolver o conflito”, ao suspender a greve e optar pelo diálogo, referiu.

    Mário Nogueira reiterou que a plataforma de sindicatos e o secretário de Estado Jorge Pedreira acordaram que cada parte iria apresentar na reunião do dia 15 as suas propostas, e que “as duas propostas estariam em posição de igualdade”.

    “De forma alguma seria para apresentar propostas para o modelo de avaliação do Ministério da Educação. É surpreendente que uma hora, ou uma hora e meia, depois dessa reunião o secretário de Estado esteja a afirmar que o Governo não ia abdicar” do seu modelo de avaliação, acentuou.

    Mário Nogueira criticou também o Ministério da Educação por ter utilizado endereços electrónicos dos professores que concorreram pela via electrónica para “remeter propaganda, e os pressionar”.

    Essa utilização, que considera violadora da confidencialidade de dados pessoais, já suscitou uma queixa ao Provedor de Justiça contra o Ministério da Educação, acrescentou.

    Sobre a postura de Jorge Pedreira, a Plataforma de Sindicatos entende que “uma coisa é o que se diz para a comunicação social e outra coisa é o que se passa nas reuniões”, e por isso acreditam que o Ministério da Educação irá honrar esse compromisso de “agenda aberta” na reunião do dia 15.

    “Suspendemos a greve, mas o que se suspende pode voltar a pôr-se no lugar”, e se isso acontecer “vai manter-se o clima verdadeiramente insuportável nas escolas”, alertou Mário Nogueira.

    Para a Plataforma, o modelo de avaliação dos docentes já está praticamente suspenso, porque 400 escolas já o assumiram e um milhar parou o processo.

    O apelo que faz é que todas as escolas assumam expressamente a recusa à avaliação segundo o modelo imposto pelo Governo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.