Sete pessoas resgatadas devido a incêndio na Faculdade de Medicina


 

Lusa/AO Online   Nacional   18 de Nov de 2011, 10:15

Sete pessoas foram resgatadas na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, com a ajuda dos bombeiros, devido ao incêndio que deflagrou hoje num piso do edifício, disse à agência Lusa fonte dos Bombeiros Sapadores da cidade.

Maioritariamente constituído por mulheres, trata-se de um grupo de funcionários de uma empresa de limpezas que, pouco antes das 07:00, efetuava trabalhos no piso -1 da Faculdade de Medicina, na Alta de Coimbra.

A sua saída estava bloqueada devido à dispersão do fumo e alguns destes trabalhadores, que se deslocaram para o piso 3, refugiaram-se em varandas do edifício, adiantou a fonte.

Foram depois resgatados, sem ferimentos, com ajuda de uma autoescada dos bombeiros e través das escadas de evacuação do edifício.

O fogo, que deflagrou numa fotocopiadora, destruiu parte do recheio de uma dependência da instituição, incluindo papéis diversos, madeiras, produtos químicos e materiais de plástico.

Os trabalhos de remoção dos fumos das instalações prolongaram-se por várias horas.

Fonte da Reitoria da Universidade de Coimbra disse à Lusa que o combate ao fogo e os trabalhos de rescaldo "não prejudicaram o normal funcionamento" da Faculdade de Medicina, uma vez que o problema ficou confinado à zona onde se verificou o incêndio.

Participaram nas operações de socorro 17 bombeiros das duas corporações da cidade - Sapadores e Voluntários - apoiados por cinco viaturas.

Na última madrugada, cerca das 04:15, um outro fogo destruiu uma loja de decorações da Baixa de Coimbra, num rés do chão da rua das Padeiras.

Fonte dos Bombeiros Sapadores disse que o alerta foi dado por um agente da PSP que estava de serviço na zona.

Estiveram no local 13 bombeiros e três viaturas das duas corporações de Coimbra, que deram o rescaldo por concluído às 05:00.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.