Seis jogadores do Fátima aproveitam programa Novas Oportunidades para voltarem à escola


 

Lusa/AO   Futebol   31 de Out de 2007, 07:03

Seis futebolistas do CD Fátima, que hoje defronta o Sporting para a Taça da Liga, inscreveram-se no projecto Novas Oportunidades para conclusão do ensino secundário, seguindo o exemplo de Veríssimo e Falardo, os dois licenciados do plantel.
Saleiro, Marinho, Moreira, Samuel, Edu Castigo e Bispo aproveitaram a medida governamental de reconhecimento de competências, para completar o 12º ano, enquanto Ricardo Jorge, Miguel Neves e Miguel Xavier frequentam o ensino superior.

    Para o treinador do CD Fátima, Rui Vitória, esta é uma situação "agradável" para o clube e confere "uma lufada de ar fresco no profissionalismo" do futebol português: "o futuro deles não é fácil".

    A formação superior dos três técnicos - Rui Vitória, Arnaldo Teixeira e Nuno Domingos - servirá de motivação para os jogadores.

    "Tentamos incutir esse espírito e demonstrar a importância que essa formação teve para nós, se tivermos de servir como exemplos, que seja por algo que eles agarrem e consigam aproveitá-lo para o futuro, uma vez que é uma ínfima parte o número de jogadores que chegam ao topo. Mas, e os outros?", frisou Rui Vitória.

    A "ideia" de concluir os estudos partiu de Samuel, a concluir o 12º ano, que assume a "culpa" de influenciar os restantes elementos do plantel, que residem em Fátima, a integrarem as Novas Oportunidades.

    O angolano Edu Castigo, que tem o 9º ano, quer "aproveitar esta nova oportunidade para ocupar o tempo livre e aprender alguma coisa útil", mas também "fazer novas amizades e falar de outras coisas, além de futebol".

    Também o defesa Bispo, que completou o segundo ciclo, quer "falar de outros assuntos", porque sabe que "o futebol um dia vai acabar".

    "Antes de o Samuel falar nisso no balneário", o extremo Marinho, já estava inscrito no programa, mas em Lisboa.

    Depois de "adiar muitos anos", Marinho considera que chegou a altura, ponderando concorrer a "um curso superior na área da contabilidade", pensando na "valorização pessoal e a pensar no futuro".

    Já licenciado em licenciado em Ciências do Desporto, pela Faculdade de Motricidade Humana, com média de 15 valores, Veríssimo considera que a formação académica conferindo-lhe "uma mais valia".

    Segundo o defesa central, o "canudo" só foi possível com "coincidências felizes", como as passagens por clubes como a Académica de Coimbra e Alverca, e "o apoio dos colegas que facultaram apontamentos e os professores que facilitaram nos horários dos exames".

    Já Falardo, licenciado em Contabilidade pelo Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa, admite "só na brincadeira" que lhe chamam "Dr. Filipe", e pondera "mais para o final da carreira" a entrada num mestrado "no ramo da Fiscalidade".

    Entre os estudantes, Miguel Xavier é finalista do curso de Educação Física na Escola Superior de Educação de Leiria, Miguel Neves frequenta Marketing, também no Instituto Politécnico de Leiria, enquanto o extremo Ricardo Jorge desistiu do curso de Psicologia, no Instituto Superior de Psicologia Aplicada, inscrevendo-se este ano em Fisioterapia, no Politécnico do Porto.

    Apesar da vontade, Ricardo Jorge assume "este ano será impossível" frequentar as aulas, seguindo um "velho" conselho dos pais: "é importante termos uma ferramenta de trabalho, seja ela qual for".
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.