Profissionalização dos árbitros deve avançar em breve

Profissionalização dos árbitros deve avançar em breve

 

LUSA/AOnline   Futebol   12 de Out de 2013, 16:27

O projeto-piloto da profissionalização dos árbitros deve avançar ainda esta época desportiva, revelou hoje, em Alcobaça, o vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Hermínio Loureiro.

À margem da quinta edição do Fórum de Arbitragem, que decorre durante o dia de hoje em Alcobaça, Hermínio Loureiro admitiu que a profissionalização dos árbitros deverá avançar "muito brevemente".

"Todos os processos de alteração com algum significado demoram sempre um pouco a começar. Já passámos um processo de discussão e de maturação desse objetivo [profissionalização], portanto temos rapidamente que concretizá-lo", referiu o vice-presidente da FPF, acrescentando que "a decisão do 'timing' será do Conselho de Arbitragem".

Segundo Hermínio Loureiro, a direção da FPF, a Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol e o Conselho de Arbitragem estão "a procurar encontrar os mecanismos necessários para que o início desse projeto seja concretizável o mais rapidamente possível", sublinhou ainda o dirigente.

Hermínio Loureiro disse ainda que, "neste momento, aquilo que existe é o compromisso e o objetivo da FPF em criar condições ao Conselho de Arbitragem para concretizar aquele que foi um dos compromissos eleitorais da equipa de Vítor Pereira [presidente do Conselho de Arbitragem]" e é isso que "tem vindo a ser trabalhado em colaboração com a APAF".

O dirigente frisou que existe uma "vontade inequívoca no setor da arbitragem em experimentar o profissionalismo". Apesar de ter "consciência" do "contexto económico", Hermínio Loureiro considerou que será sempre uma "uma experiência-piloto para ser avaliada no final da época desportiva".

O Fórum da Arbitragem teve como temas centrais em discussão o recrutamento e retenção de árbitros.

Vítor Pereira referiu que existe uma "grande preocupação em recrutar novos árbitros e em evitar o seu abandono".

"Hoje há um abandono precoce, que acontece, sobretudo, nos primeiros seis meses da arbitragem", acrescentou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.