Professores podem concorrer a bibliotecas


 

Lusa/AOonline   Nacional   21 de Out de 2007, 11:33

No concurso de colocação de 2009, os professores poderão concorrer exclusivamente ao lugar de coordenador de biblioteca, segundo a responsável pela Rede de Bibliotecas Escolares, que em 2008 integrará todas as escolas de 2º e 3º ciclo.


    "No concurso de professores de 2009 será possível concorrer exclusivamente para coordenador de biblioteca, mas os termos em que esse concurso irá decorrer estão ainda por definir", explicou a coordenadora do gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares, Teresa Calçada, em declarações à Lusa a propósito do Dia Internacional das Bibliotecas Escolares (RBE), que se assinala na segunda-feira.

    De acordo com a coordenadora da RBE, existem actualmente 107 professores de 2º e 3º ciclo e cerca de 130 do 1º ciclo que trabalham a tempo inteiro nas bibliotecas dos agrupamentos a que pertencem.

    Professores ou formados na área da educação com competências ao nível das tecnologias de informação e das ciências de documentação, com um enorme sentido de organização, entusiasmados, competentes e conscientes do papel que as escolas desempenham ao nível da inclusão social: é este o retrato-tipo dos coordenadores das Bibliotecas Escolares traçado por Teresa Calçada.

    A trabalhar com o coordenador existe uma equipa formada também por professores, escolhidos por competências que podem ser aproveitadas pelos serviços da biblioteca.

    Teresa Calçada assegurou que até ao final de 2008 "todas as escolas de 2º e 3º ciclo do país ficam integradas na Rede".

    A coordenadora da RBE explicou ainda que com a alteração do modelo de estruturação do sistema de ensino - que passou a considerar como unidade o agrupamento e não a escola - todas as escolas de 1º ciclo vão ficar automaticamente integradas na Rede, uma vez que estão associadas a escolas de 2º e 3º ciclo que são sede de agrupamento.

    "O que é necessário é haver uma biblioteca por sede de agrupamento e organizar serviços de biblioteca que possam chegar a todas as escolas", explicou Teresa Calçada que deu como exemplo os serviços itinerantes que fazem chegar os livros das bibliotecas centrais às bibliotecas das escolas mais pequenas.

    Sobre o actual panorama da RBE, a coordenadora disse que, de momento, existem mais de 1.800 escolas integradas na Rede, mas até ao final do ano serão cerca de 2.000.

    "Em Portugal esta Rede está a ser implementada mais tarde do que se desejaria", reconheceu.

    No balanço de dez anos de actividade da RBE, a coordenadora destacou o "alargamento respeitável da Rede, que até poderia ter sido feito de forma mais rápida, mas isso implicaria uma perda de qualidade na formação dos recursos, no caso, dos professores responsáveis".

    Teresa Calçada afirmou ainda que o programa que dirige "tem conseguido acompanhar a modernidade que a sociedade de informação impõe e exige".

    A coordenadora relembrou que os indicadores de pobreza estão sempre ligados à iliteracia para salientar a importância do estímulo à leitura.

    O estímulo à leitura passa pela divulgação dentro das próprias escolas dos serviços disponibilizados pelas bibliotecas, por levar recursos destes espaços para a sala de aula, de levar os alunos à biblioteca e dinamizar as instalações com eventos.

    "É preciso tirar prazer e utilidade das bibliotecas", declarou Teresa Calçada.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.