Presidente da federação peruana condenado a 18 meses de prisão preventiva


 

Lusa/Ao online   Futebol   8 de Dez de 2018, 11:57

O presidente da Federação Peruana de Futebol (FPF), Edwin Oviedo, foi condenado a 18 meses de prisão preventiva por um juiz da cidade nortenha de Chiclayo, na sequência de uma investigação pelos assassinatos de dois sindicalistas.

O ministério público peruano informou na sua conta oficial no Twitter a decisão tomanda pelo juiz do 8.º Juízo de Investigação Preparatória de Chiclayo, Carlos Chanamé.

O líder da FPF é acusado de ser o líder de uma organização criminal conhecida com “Los wachiturros de Tumán’ e de ser o mentor dos assassinatos dos dirigentes sindicais Manuel Rimarachín e Percy Farro.

Oviedo já tinha sido detido na quinta-feira, por 15 dias, enquanto era investigada a sua ligação a outra organização criminosa, conhecida como “Los cuellos blancos del puerto”.

Em várias ocasiões, o presidente da FPF negou ligação a qualquer organização criminosa.

Durante o mandato de Oviedo, iniciado em 2015, o Peru conseguiu, 36 anos depois, voltar a marcar presença na fase final de um Mundial, em 2018, na Rússia.

À frente da federação está, interinamente, Augustín Lozano, que era vice-presidente.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.