Tratado de Lisboa

Presidência sueca "confiante" na ratificação checa


 

Lusa / AO Online   Internacional   21 de Out de 2009, 18:03

A presidência sueca da União Europeia declarou-se "confiante" na ratificação checa do Tratado de Lisboa, após sinais de aberturas do Presidente Vaclav Klaus e tenta encontrar uma solução sobre a exigência de uma excepção.
Klaus exige uma derrogação, ou seja, uma excepção na aplicação à República Checa da Carta dos Direitos Fundamentais, anexa ao Tratado de Lisboa.

"Após a abertura de Vaclav Klaus sobre uma ratificação este fim-de-semana e depois de consultas que estamos a fazer, estou confiante de que teremos uma ratificação checa logo que resolvermos o que eles pedem", declarou o primeiro-ministro sueco, Fredrik Reinfeldt, durante uma conferência de imprensa.

A presidência sueca procura obter garantias de que o Presidente checo assinará o tratado logo que seja encontrada uma solução para o seu pedido de última hora.

O Presidente checo "pede uma derrogação e nós trabalhamos numa solução", declarou o chefe do governo, que indicou que a questão será discutida quinta-feira num jantar durante o Conselho Europeu em Bruxelas.

O eurocéptico Vaclav Klaus, o único Presidente europeu que ainda não ratificou o Tratado de Lisboa, deu a entender que assinaria o texto numa entrevista divulgada sábado.

O Presidente checo colocou a 08 de Outubro como nova condição para assinar o tratado uma derrogação para o seu país da Carta dos Direitos Fundamentais, visando impedir qualquer restituição dos bens dos alemães dos Sudetas confiscados após a Segunda Guerra Mundial.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.