Chile

Operação de resgate dos mineiros começou com êxito

Operação de resgate dos mineiros começou com êxito

 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Out de 2010, 10:26

O resgate dos 33 mineiros retidos a 700 metros de profundidade no norte do Chile começou com êxito, na madrugada desta quarta-feira, com a chegada à superfície dos primeiros quatro trabalhadores sãos e salvos.
O primeiro mineiro a recuperar a liberdade foi Florencio Ávalos, subindo na cápsula às 3:10.

Ao fim de 69 dias, o mineiro, de 31 anos, entrou na “Fénix 2” para uma viagem de 15 minutos, subindo por um túnel escavado durante 33 dias pela perfuradora Scramm T-130, apelidada de “Lebre”, pela rapidez com que abriu caminho para o salvamento deste grupo de homens.

Florencio Ávalos manteve grande serenidade em toda a operação de regaste, enquanto a família o esperava ansiosamente à superfície.

O ministro da Saúde, Jaime Mañalich, acompanhou o primeiro mineiro resgatado até ao hospital instalado no local para um exame médico.

Uma hora depois, Mário Sepúlveda, um electricista de 39 anos, subia com grande sentido de humor, o mesmo mineiro que relatava as imagens que chegaram à superfície das condições do grupo de trabalhadores retidos na mina.


A subida de Mário Sepúlveda até à superfície foi acompanhada de gritos entusiásticos e a saída da cápsula foi efusiva, abraçando todos os que o esperavam na plataforma.

O resgate continuou noite dentro com a saída do terceiro e quarto mineiros.

Juan Illanes, de 52 anos, chegou à superfície às 06:07 (de Lisboa) e seguiu-se o boliviano Carlos Mamani, de 23 anos, que foi recebido às 07:05 (de Lisboa).

Antes de resgatar os primeiros mineiros, a cápsula “Fénix 2” fez alguns testes na descida e subida no túnel, aproveitando para rever o trajecto

Com uma câmara de vídeo instalada, a equipa de salvamento tentou detectar possíveis anomalias e reconhecer as zonas de passagem mais difícil.

Depois dos testes, seguiu a bordo da cápsula o primeiro elemento da equipa de resgate, Manuel González, que teve por missão explicar aos trabalhadores o funcionamento da “Fénix 2” e os procedimentos da subida até à superfície.

Ao entrar na cápsula, os mineiros colocavam uns auscultadores e um microfone, porque toda a viagem de subida era acompanhada por um elaborado sistema de comunicações, estavam munidos de uns óculos escuros e um fato térmico.

Ao saírem da cápsula, e depois de cumprimentar os familiares, foram submetidos a exames médicos no local.

A operação vai continuar até que todos os mineiros retidos sejam retirados da mina, mas a previsão para a sua duração é ainda incerta.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.