Açoriano Oriental
Covid-19
OMS defende escolas abertas

A Organização Mundial de Saúde (OMS) defendeu a necessidade de manter as escolas abertas durante a pandemia de covid-19 e considerou que podem evitar-se os confinamentos se forem aumentadas as medidas de proteção.

OMS defende escolas abertas

Autor: Lusa/AO Online

“Devemos assegurar o ensino aos nossos filhos”, afirmou o diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge, sublihando que as crianças e adolescentes não são impulsionadores principais do contágio e que o fecho de escolas não é eficiente.

Kluge frisou também que os confinamentos são “uma perda de recursos” e que provocam muitos efeitos secundários, como danos na saúde mental ou aumento da violência de género.

De acordo com o mesmo responsável, esta medida seria evitável se o uso de máscaras fosse superior a 90% entre a população.

Ter mantido a maioria das escolas abertas na Europa durante quase 100 dias seguidos é considerado um motivo de satisfação, já que o encerramento pode afetar também a saúde mental dos jovens e ter consequências sociais.

Apesar de o uso de máscara não ser “um remédio,” e de dever ser completado com outras medidas, quando se verifica uma utilização inferior a 60%, é “díficil evitar confinamentos”, disse, em conferência de imprensa digital, em Copenhaga, sede do escritório regional da OMS.

A defesa das escolas e o uso de máscaras para evitar os confinamentos foram duas das mensagens centrais de Kluge, que classificou como “grande esperança na luta contra o vírus”, as notícias surgidas nos últimos dias sobre avanços em vários ensaios de vacinas para a covid-19.

A OMS reafirmou a importância de todos os países terem acesso às futuras vacinas.

“A vacina é muito importante, mas não é uma fórmula milagrosa”, referiu Kluge, aludindo à necessidade de a completar com outras medidas de proteção.

A Europa registou mais de 15,7 milhões de casos, 28% de todo o mundo e mais de quatro milhões só em novembro, enquanto as mortes rondam as 350.000, ou seja, 26% do total.

Mais de 80% dos países notificaram uma incidência elevada de novos casos (mais de 100 por cada 100.000 habitantes) nos últimos 14 dias, e em um terço registaram-se mais de 700 óbitos por 100.000 habitantes.

“Nas últimas duas semanas, as mortes por covid-19 aumentaram 18%. Na semana passada, a Europa registou mais de 29.000 novas mortes, o que significa uma pessoa a cada 17 segundos”, informou Kluge.

A segunda vaga de coronavírus provocou também “indícios crescentes” relacinados com sistemas sanitários sobrelotados em França e na Suíça, entre outros.

Kluge destacou, porém, que o número de novos casos na Europa baixou de dois milhões há duas semanas para 1,8 milhões nos últimos sete días, uma descida atribuída ao comportamento responsável dos cidadãos.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.