Nove projectos aproveitaram ninho de empresas


 

Lusa/AO online   Regional   20 de Ago de 2008, 18:51

Nove empresas aproveitaram o primeiro Espaço de Desenvolvimento Empresarial e Tecnológico (EDET) dos Açores, criado há dois anos pela Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada, para apoiar novos projectos e abrir oportunidades de negócio.
    O director financeiro da Câmara do Comércio e Industria de Ponta Delgada (CCIPD), Eduardo Braga, adiantou à agência Lusa que se tratam de empresas ligadas ao sector dos serviços, nomeadamente organização de eventos, design, tradução e ainda tecnológicas de informação.

    Cerca de dois anos após a criação do EDET, em Setembro de 2006, das nove empresas, sete estão ainda lá instaladas, indicou Eduardo Braga, ao evidenciar a “janela de oportunidades aberta” pelo projecto para quem pretende dar os primeiros passos no ramo empresarial.

    Segundo o director financeiro, a taxa de sucesso é elevada (rondando os 100 por cento) no que respeita às empresas que souberam ou quiseram passar de uma fase inicial para uma etapa organizada.

    Apostando no conceito de ninho de empresas, a estrutura disponibiliza apoio técnico e ao nível dos recursos humanos de modo a facilitar o arranque de um negócio.

    "O apoio vai desde um espaço próprio devidamente equipado com computador, impressora, comunicações, partilhando ainda outros recursos, espaços e serviços comuns", acrescentou Eduardo Braga.

    Numa primeira fase, esta estrutura e serviços não implicam custos para o utilizador, sendo só suportados na sua totalidade, em função da sua utilização, nos últimos seis meses.

    Eduardo Braga reiterou a intenção de avançar também na ilha de Santa Maria com uma extensão do EDET, e ainda no Nordeste, ilha de São Miguel, uma hipótese que continua, para já, ainda por concretizar.

    "No caso do Nordeste, já contactámos a Câmara Municipal. Em Santa Maria, abordamos várias vezes a Câmara Municipal de Vila do Porto, que concordou com o nosso convite. No entanto, embora os serviços sejam disponibilizados na nossa delegação, não conseguimos mobilizar e motivar qualquer adesão à ideia e conceito, talvez pela ausência de um espaço específico, como acontece em Ponta Delgada", explicou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.