Património

Museu Móvel leva património a toda a ilha de São Miguel


 

João Cordeiro   Regional   2 de Set de 2008, 11:24

"O Museu Móvel" é o novo projecto do Museu Carlos Machado, que arranca na próxima quinta-feira na ilha de São Miguel, tendo como principais objectivos a transformação da instituição num “espaço de inclusão” e  sensibilização da população para a importância do património e da sua preservação.
Trata-se de uma iniciativa inédita em Portugal, que assenta na circulação de uma carrinha reformulada e adaptada para transportar, mostrar e divulgar peças e património do museu sedeado em Ponta Delgada.
Com o seu lançamento, o Museu Carlos Machado pretende concretizar dois dos pontos fundamentais da sua missão: afirmar-se como espaço de inclusão de onde não se excluem populações normalmente alheias ao conhecimento museológico - quer seja por pertencerem a diferentes níveis socioculturais, quer pela distância física que existe entre as suas localidades e o museu -, assim como transformar-se num museu de território que não se restrinja à cidade onde está sedeado mas que se estenda também a toda a ilha de São Miguel.
Outro dos objectivos do projecto “O Museu Móvel” tem a ver com o contacto directo com as populações mais distantes dos seus núcleos centrais, sensibilizando os seus visitantes para a importância do património e para a necessidade da respectiva preservação.
Enquanto projecto que aposta na mobilidade, “O Museu Móvel” pretende percorrer toda a ilha, desde o lado ocidental até ao concelho mais oriental.
Inicialmente, o percurso vai contar com duas viagens semanais, com arranque na freguesia das Sete Cidades e percorrendo a costa norte da ilha em direcção a leste.
Para levar a cabo este projecto, vão ser estabelecidas parcerias com diversas entidades locais por toda a ilha de São Miguel, entre as quais juntas de freguesia, paróquias, casas do povo e outras associações, que têm acolhido a ideia de uma forma bastante entusiástica.
Em relação a este destino inicial, a carrinha vai mostrar fotografias de inícios do século XX, alusivas às Sete Cidades, do espólio do coronel Francisco Afonso de Chaves, açoriano que colaborou com Carlos Machado na preparação do Gabinete de História Natural do Liceu de Ponta Delgada, embrião do actual Museu Carlos Machado, e um conjunto de objectos do acervo do museu, relacionados com o imaginário, as tradições e vivências das Sete Cidades, como por exemplo as lavadeiras, ou o próprio galho do cedro do mato, descoberto durante a escavação do túnel entre a lagoa azul e os Mosteiros, datado cientificamente em mais de 4.000 anos.
A sessão de apresentação do projecto, a que se associa o presidente do Governo Regional dos Açores, Carlos César, está agendada para as 17h30 da próxima quinta-feira, junto à Casa do Povo da freguesia das Sete Cidades.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.