Açoriano Oriental
Montanha do Pico com horário de apoio alargado após registar aumento de 13,5% nas subidas

Com mais de 20 mil subidas registadas em 2019, a Casa da Montanha, no Pico, que marca o arranque do percurso, vai estender o horário de funcionamento a partir do dia 1 de abril, “antecipando em um mês a época alta”.

article.title

Foto: SIARAM
Autor: Lusa/AO Online

Em declarações à agência Lusa, o diretor regional do Ambiente dos Açores, Hernâni Jorge, avançou hoje que, na sequência do balanço do ano de 2019, em que se registou um crescimento de 13,5% em relação ao ano anterior na subida da montanha, está a ser preparada “uma revisão do regulamento” que prevê o alargamento dos períodos de funcionamento da Casa da Montanha.

No mês de abril, a partir do dia 1, o espaço de registo e apoio aos montanhistas que sobem ao ponto mais alto de Portugal deixa de funcionar das 08:00 às 18:00 e passa a estar aberto entre as 08 e as 20 horas, “e ininterruptamente das 08 horas de sexta-feira às 20 horas de domingo”, explicou o governante.

Depois, “no mês de maio, em que só estava aberta ininterruptamente aos fins de semana, passa a estar aberta ininterruptamente todos os dias”, mantendo-se em funcionamento 24 horas por dia até 30 de setembro, prosseguiu.

O número de visitantes da montanha, que soma 2.351 metros de altitude, tem vindo a aumentar nos últimos anos, mas, apontou o responsável pela pasta do Ambiente, em 2019, “na sequência do estabelecimento, há cerca de dois anos, da limitação da carga diária, essa distribuição e esse crescimento fez-se também por via de uma quebra da sazonalidade e de uma maior distribuição ao longo dos meses do ano”.

A Direção Regional do Ambiente estabeleceu um limite de 320 subidas diárias.

O regulamento de acesso à montanha determina ainda que “a capacidade de carga de referência para o percurso é de 160 visitantes, em simultâneo, podendo ser reduzida ou aumentada, até 25%, por decisão do diretor do Parque Natural do Pico, tomada para um período específico, em função do estado do trilho e das condições meteorológicas”.

"A avaliação que fazemos com os parceiros, mostram que [as medidas] são adequadas à dinâmica e à realidade da montanha e aos objetivos de conservação e gestão do trilho, mas estes são processos dinâmicos, em que a monitorização é permanente, quer da nossa parte, quer na relação direta com os parceiros, sobretudo com os guias e empresas habilitadas que operam na montanha”, afirmou Hernâni Jorge.

Durante este ano, houve apenas um dia em que o acesso foi fechado por ter sido atingido o limite de carga máxima.

“Os visitantes assimilaram de forma rápida e normal as regras. Eles próprios já procuram a montanha distribuindo ao longo da semana, ao longo dos meses, de forma a que o limite máximo diário não seja ultrapassado”, considerou o governante.

Da parte do executivo regional tem havido um esforço de “promover uma maior procura através de empresas habilitadas”, sendo que “em 2014 apenas 25% dos visitantes da montanha eram acompanhados por guias ou empresas de montanha, e em 2019 esse valor atingiu os 47%. Em termos absolutos, em 2014 foram cerca de 2000, em 2019 foram quase 9.400 visitantes que subiram com guia”.

Mesmo com um aumento do número de visitantes, “o número de resgates mantém-se mais ou menos o mesmo”, situando-se numa média de 12 resgates por ano.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.