Açoriano Oriental
Ministro diz que mobilização climática dos jovens é "a melhor das causas"

Ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, classificou como “a melhor das causas” a iniciativa de mobilização climática que leva jovens para a rua em todo o mundo.

Ministro diz que mobilização climática dos jovens é "a melhor das causas"

Autor: Lusa/AO Online

Em Portugal, jovens de pelo menos uma dezena de cidades estão hoje na rua a exigir soluções para a crise do clima e pedem uma “mobilização climática global” que junte todos os setores da sociedade civil.

“Esta é a melhor das causas, esta é mesmo a melhor das causas, devendo todos, e mormente os estudantes portugueses, também saber reconhecer que Portugal foi o primeiro país do mundo que decidiu ser neutro em carbono em 2050 e que, por exemplo, no ano passado Portugal consumou um excelente divórcio, o divórcio entre aquilo que é o crescimento da economia e o crescimento das emissões”, afirmou Matos Fernandes.

Segundo o ministro, em 2019, ano em que a economia portuguesa cresceu 2,3%, “enquanto na zona euro as emissões reduziram em 4,2% em Portugal reduziram-se 8,5%”.

Portugal é, defendeu Matos Fernandes, “um belíssimo exemplo da redução das emissões (…), na introdução da mobilidade elétrica e na parcela de eletricidade que é gerada a partir de fontes renováveis, 57%", sendo “um dos países que mais se destaca na Europa”.

“Não encontro causa mais justa para que os nossos jovens se manifestem do que esta, a de lutar por um mundo hipocarbónico, um mundo que regenera recursos, um mundo e uma economia que caibam dentro dos limites do sistema terrestre”, frisou o ministro.

Na base da ação promovida hoje pelos jovens está o mesmo apelo, do movimento “Friday´s for Future” criado por Greta Thunberg, que em Portugal teve eco no movimento Salvar o Clima, uma plataforma que junta várias organizações que organizam as ações.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.