Trabalho

Mineiros de Aljustrel manifestam-se terça-feira


 

Lusa/AOonline   Economia   24 de Nov de 2008, 14:56

Trabalhadores da mina e população de Aljustrel manifestam-se terça-feira à porta da residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, para exigir uma "solução rápida" para a retoma da laboração, suspensa há 11 dias pela empresa concessionária.
A "acção de luta", a partir das 11:00 locais, vai juntar "uma delegação bastante alargada" de população e trabalhadores da Pirites Alentejanas (PA), concessionária da mina de Aljustrel, disse hoje à agência Lusa Jacinto Anacleto, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM).

    Segundo o dirigente sindical, a manifestação, que contará com a presença do presidente do município, José Godinho, vai realizar-se "em prol da manutenção dos postos de trabalho" na PA e para "apressar o Governo a intervir o mais rápido possível".

    "Pedimos uma audiência com o primeiro-ministro, para as 11:30, mas ainda não obtivemos resposta e não sabemos se vamos ou não ser recebidos", disse Jacinto Anacleto.

    Após a manifestação, adiantou o sindicalista, uma delegação representativa do STIM e da Comissão de Trabalhadores da PA desloca-se à Assembleia da República, para audiências com os grupos parlamentares do PS, PCP e PEV.

    "Vou integrar a manifestação, porque a suspensão da produção na mina de Aljustrel, além de um problema laboral, é também um problema social e económico, que afecta todo o concelho", explicou hoje à Lusa o autarca local, José Godinho.

    A manifestação à porta da residência oficial do primeiro-ministro foi decidida num plenário realizado na passada terça-feira em Aljustrel, um dia depois de uma delegação de representantes do STIM e da Comissão de Trabalhadores da PA ter saído preocupada e prometendo novas formas de luta de uma reunião com o ministro da Economia, em Lisboa.

    No final da reunião, há uma semana, Manuel Pinho, reafirmou que o Governo já contactou "potenciais interessados em retomar a actividade" na mina de Aljustrel e que "existem investidores credíveis", mostrando-se confiante na obtenção de resultados positivos das negociações em curso, que estarão concluídas no princípio de Dezembro.

    O ministro da Economia acrescentou também que gostaria que o sucesso das negociações incluísse a manutenção dos postos de trabalho e o fim das rescisões de contratos na PA.

    "Em Aljustrel, vive-se um clima de muita insatisfação", garantiu Jacinto Anacleto, afirmando que as respostas que obtiverem do ministro da Economia "não foram as que pretendiam".

    "Vamos ao sr. primeiro-ministro em busca de respostas concretas, que tanto ansiamos e desejamos o mais rápido possível", disse o sindicalista, referindo que os trabalhadores querem que José Sócrates "garanta que os postos de trabalho na mina de Aljustrel não serão postos em causa".

    "Há seis meses atrás, foi o sr. primeiro-ministro que veio a Aljustrel, com pompa e circunstância, anunciar que a Pirites Alentejanas era uma empresa exemplo a seguir", recordou, lamentando a suspensão da laboração na mina alentejana.

    "Não é disto que o país precisa. O país precisa é da mina a trabalhar e dos postos de trabalho assegurados", afirmou.

    A Lundin Mining suspendeu no passado dia 13 a extracção e produção de zinco nas minas de Aljustrel e Neves-Corvo (Castro Verde), devido à baixa cotação daquele metal no mercado.

    Durante a suspensão, que vai manter-se até que "haja uma recuperação dos preços", a mina de Aljustrel ficará com a produção parada e em situação de manutenção das instalações.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.