Merkel refuta críticas por ter recebido Dalai Lama


 

Lusa/Ao online   Internacional   21 de Nov de 2007, 08:49

A chanceler alemã refutou críticas por ter recebido recentemente o líder religioso tibetano, Dalai Lama, encontro que provocou um brusco arrefecimento das relações entre a Alemanha e a China, de acordo com uma entrevista hoje publicada.
“Como chanceler, decido quem e onde recebo”, declarou Angela Merkel em entrevista ao diário alemão Bild, que recorda que a chanceler democrata-cristã é a primeira chefe de um governo alemão a receber oficialmente o Dalai Lama e, ainda por cima, pouco depois de realizar uma visita oficial à China, que entretanto suspendeu múltiplos contactos com Berlim.

    O ministro do Interior alemão, Wolfgang Schauble, defendeu a chanceler, ao considerar, em declarações ao jornal alemão Frankfurter Allgemeine, que as críticas “são absurdas”.

    “Todos os ministros dos Negócios Estrangeiros alemães receberam o Dalai Lama. O único que não o fez foi Steinmeier" (actual chefe da diplomacia alemã), adiantou o ministro alemão.

    As declarações dos dois responsáveis alemães reflectem as diferentes posições face às relações da Alemanha com a China entre a chanceler democrata-cristã e o titular alemão dos Negócios Estrangeiros, o social-democrata Frank-Walter Steinmeier.

    “Desejo que o governo federal defenda de maneira firme a minha posição, já que de outro modo não se vai aumentar o respeito da China em relação a nós”, adiantou a chanceler, que se encontrou com o Dalai Lama em Setembro último.

    Desde o referido encontro, as autoridades chinesas suspenderam e adiaram para data indefinida diversos encontros a vários níveis com representantes do governo alemão.

    O Dalai Lama foi já recibido por outros chefes de Estado e de governo ocidentais, incluindo o Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que criticam abertamente a política de direitos humanos da China.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.