Medvedev critica ausência "de ordem" no sistema prisional

Medvedev critica ausência "de ordem" no sistema prisional

 

Lusa/AO Online   Internacional   24 de Dez de 2009, 11:32

O Presidente russo, Dmitri Medvedev, criticou hoje, numa entrevista à televisão russa, a ausência "de ordem" no sistema prisional, inalterado "há décadas" e muito criticado pelos defensores dos direitos humanos.

"O nosso sistema de aplicação das penas não mudou nas últimas décadas e tem insuficiências importantes", declarou na entrevista de fim de ano, adiantando que "não há ordem e é preciso pôr-lhe ordem".

"Infelizmente, em parte (o sistema) resiste à mudança e é por isso que é preciso pôr-lhe ordem, é preciso atrair novas pessoas capazes de conduzirem estas mudanças", disse ainda.

Medvedev sublinhou nomeadamente a necessidade de repensar a prática de colocar por longos períodos em prisão preventiva as pessoas perseguidas por crimes económicas.

"É preciso compreender que, no que se refere por exemplo a certos crimes económicos, ligados aos impostos nomeadamente, não é necessário atirar as pessoas para a prisão", referiu.

As declarações acontecem após ter morrido na prisão no início de Dezembro o advogado Serguei Magnitski, perseguido por fraude fiscal.

O jornal Novaia Gazeta publicou extractos do diário do jurista, que deu conta da insalubridade, o frio, a fome, a promiscuidade e a impossibilidade de conseguir cuidados adequados.

Dmitri Medvedev demitiu pouco depois cerca de duas dezenas de responsáveis do Serviço Federal de aplicação de penas, que tutela as prisões e é herdeira do tristemente célebre Gulag.

Contudo, na entrevista, o Presidente russo não fez referência às difíceis condições de detenção no país, denunciadas por muitas organizações não governamentais de defesa dos direitos humanos.

O chefe de Estado prometeu também uma reforma do Ministério do Interior, numa altura em que a polícia russa está envolvida numa série de escândalos de assassínios, corrupção, maus tratos e fabricação de provas.

"São necessárias, sem dúvida, reformas bastante firmes e sérias e elas vão ocorrer", declarou Medvedev, prometendo assinar na quinta-feira um decreto para "aperfeiçoar" o Ministério, quando se pede, nomeadamente um deputado do partido Rússia Unida no poder, o seu desmantelamento.

"As queixas dos nossos cidadãos em relação ao Ministério do Interior têm-se acumulado (…) e uma grande parte delas são certamente absolutamente justificadas", reconheceu o presidente russo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.