Mais de 130 feridos e 1.385 detidos nos protestos dos "coletes amarelos"


 

Lusa/Ao online   Internacional   8 de Dez de 2018, 20:49

Mais de 130 pessoas ficaram feridas e 1.385 foram detidas durante os protestos do movimento dos "coletes amarelos", anunciou este sábado o ministro do Interior francês, Christophe Castaner.

Os protestos dos "coletes amarelos" reuniram hoje 125.000 pessoas em toda a França, dos quais 10.000 em Paris, e as autoridades fizeram 1.385 detenções, de acordo com o governante.

O ministro do Interior adiantou que 135 pessoas ficaram feridas nos protestos, incluindo 17 polícias.

"Há 1.385 detenções, à hora que vos falo, e esse número vai aumentar. Havia 975 pessoas identificadas e esse número vai aumentar", declarou o ministro.

O número de detenções tem como referência as 18:00 locais (17:00 em Lisboa) prevendo-se que possa aumentar devido aos distúrbios que continuam a assolar a capital francesa, bem como outras cidades, de acordo com Castaner, que falou aos media junto do primeiro-ministro, Éduouard Philippe, que saudou a ação da polícia.

"As forças de ordem fizeram com que se respeitasse a lei", sublinhou Philippe, acrescentando que agora é o momento para o diálogo, que ele próprio iniciou hoje com os "coletes amarelos" e que "deve continuar".

Em Paris, até ao início da tarde, tinham sido identificadas 651 pessoas e 534 estavam sob custódia.

O Governo tinha indicado antes que, a meio do dia, estavam a manifestar-se cerca de 31.000 pessoas em toda a França, das quais 8.000 em Paris.

No total foram mobilizados para todo o território francês 89.000 membros das forças da ordem, 8.000 dos quais para Paris.

Veículos blindados da polícia militarizada foram excecionalmente mobilizados para a capital francesa e circularam para dissuadir os manifestantes ou destruir barricadas.

Os confrontos no centro de Paris já duram há várias horas, com a polícia a utilizar gás lacrimogéneo e canhões de água. Várias montras de lojas já foram partidas e registou-se um ataque a uma galeria comercial.

Entretanto, na Bélgica, cerca de 400 pessoas foram detidas hoje e um polícia ficou ferido durante um protesto de "coletes amarelos" belgas, que reuniu milhares de manifestantes, de acordo com a polícia local.

"Um polícia ficou ferido no rosto e foi transportado para o hospital, mas não se encontra em perigo", disse Ilse Van de Keere, porta-voz da área policial de Bruxelas.

Alguns "coletes amarelos" arremessaram, entre outras coisas, paralelepípedos, contra as forças policiais nas imediações das instituições europeias, numa zona encerrada à circulação de veículos e peões, adiantou a mesma fonte.

A polícia foi forçada a usar canhões de água e gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes.

"Há alguns danos", sublinhou Van De Keere, sem adiantar mais pormenores, acrescentando que a situação voltou à normalidade no final do dia.

De acordo com a agência Belga, os "coletes amarelos" também bloquearam a autoestrada E17 em direção a Rekkem, uma cidade na Flandres ocidental, situada ao pé da fronteira com a França.

Uma barreira foi montada esta manhã na E40, perto da fronteira franco-belga, em direção a Dinkerque (norte), também segundo a agência Belga.

O movimento dos "coletes amarelos" surgiu em França e expandiu-se para a Bélgica, em particular na região francófona de Wallonie.

Em 30 de novembro, uma manifestação de 300 pessoas assolou Bruxelas, onde dois veículos policiais foram incendiados.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.