Açoriano Oriental
Açores/Eleições
Iniciativa Liberal admite apoios excecionais à cultura e quer aliar setor ao do turismo

A Iniciativa Liberal quer aliar a cultura ao turismo e preservar o património arquitetónico regional nos Açores, admitindo um apoio excecional ao setor, que teve de parar devido à covid-19, mas recusa a profissionalização.

Iniciativa Liberal admite apoios excecionais à cultura e quer aliar setor ao do turismo

Autor: Lusa/AO Online

Para a cultura, a principal proposta do programa do partido “é precisamente a relação da cultura com o turismo, com aquele que é o setor da economia que mais alavancou o Produto Interno Bruto dos Açores nos últimos anos”, sublinhou o líder regional, Nuno Barata.

O candidato pelos círculos de São Miguel e compensação fez-se acompanhar por membros do partido numa visita ao Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, onde defendeu que é também “muito importante preservar o património arquitetónico e urbanístico da ilha de São Miguel e da cidade de Ponta Delgada, nomeadamente”.

“O Teatro Micaelense e o Coliseu Micaelense são dois bons exemplos em que o Estado deve estar presente, neste caso a região e a autarquia de Ponta Delgada [respetivamente], porque não é possível hoje um privado sustentar um património dessa dimensão”, concretizou.

Nuno Barata admite que há “uma componente [de apoios] que tem de ser reforçada, porque, como ouvimos aqui, a cultura é financiada pelos eventos".

"Se deixou de haver eventos, deixou de haver financiamento da cultura”, sublinhou.

“Eu sou um liberal, acredito que os eventos podiam financiar a cultura, mas, havendo essa quebra, alguém tem de ocupar esse espaço e é nessas alturas que o Estado tem de acudir a quem não consegue”, prosseguiu.

O candidato ressalvou que é preciso, primeiro, “acudir a quem está a passar fome e depois tratar do resto”, reconhecendo que “há muita gente que presta serviços à cultura e que deixou de prestar serviços quase a 100%".

"Muitos recibos verdes, outros até na economia paralela”, exemplificou.

Questionado sobre a precariedade no setor, o liberal sublinhou que “a criatividade é precária, sempre foi e vai ser sempre precária”.

“É lirismo acreditar que a criatividade vai deixar de ser precária, até porque os criativos, normalmente, não querem grandes amarras. Esta é uma das coisas boas que o liberalismo tem: é que não amarra ninguém”, retorquiu.

Para o líder regional da Iniciativa Liberal, “quem reivindica estabilidade no setor da cultura, ou não sabe o que é cultura, ou então quer ser funcionário".

"Ser funcionário da cultura não é, propriamente, ser um produtor cultural ou um criativo”, acrescentou.

As legislativas dos Açores decorrem em 25 de outubro, com 13 forças políticas candidatas aos 57 lugares da Assembleia Legislativa Regional: PS, PSD, CDS-PP, BE, CDU, PPM, Iniciativa Liberal, Livre, PAN, Chega, Aliança, MPT e PCTP/MRPP. Estão inscritos para votar 228.999 eleitores.

No arquipélago, onde o PS governa há 24 anos, existe um círculo por cada uma das nove ilhas e um círculo de compensação, que reúne os votos não aproveitados para a eleição de parlamentares nos círculos de ilha.

A Iniciativa Liberal candidata-se pelos círculos de São Miguel, Terceira e compensação.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.