Kosovo

Independência provocará êxodo da maioria dos servo-kosovares


 

Lusa / AO online   Internacional   13 de Nov de 2007, 17:37

Pelo menos 70 por cento dos cerca de 100.000 sérvios ainda residentes na província meridional do Kosovo abandonarão o território se vingar a independência reclamada pela maioria albanesa, revela uma sondagem publicada em Belgrado.
De acordo com o estudo de opinião divulgado pela agência Tanjug, 84 por cento (pc) dos 889 servo-kosovares inquiridos pela empresa de marketing Stratedzik garantiu que a violência aumentará num Kosovo independente.
Para 64 pc, haverá um recrudescimento da violência mesmo se o território continuar a ser uma província sérvia.
O universo da sondagem foi unânime a admitir que no centro dos problemas está o estatuto do Kosovo, onde o desemprego é generalizado e se prende directamente com a falta de segurança.
Para 61 pc dos servo-kosovares questionados, a Rússia - membro da troika que arbitra as negociações sobre o futuro estatuto do território, juntamente com a UE e os Estados Unidos - é o país estrangeiro mais digno de confiança.
A União Europeia (UE) só merece a confiança de oito pc e os Estados Unidos de um pc.
As negociações entre Belgrado e Pristina sobre o futuro estatuto do Kosovo deverão concluir a 10 de Dezembro, data em que a troika entrega o seu relatório ao secretário-geral das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon.
A maioria albano-kosovar - 90 pc dos cerca de dois milhões de habitantes do território - não abre mão da independência, enquanto as autoridades sérvias não estão dispostas a ir além da concessão de uma ampla autonomia.
O Kosovo está sob administração da ONU (MINUK) desde meados de 1999, data do fim dos bombardeamentos da Aliança Atlântica (NATO) que provocaram o êxodo de mais de 200.000 servo-kosovares.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.