Governo dos Açores diz que agravamento do défice das regiões é responsabilidade da Madeira

Governo dos Açores diz que agravamento do défice das regiões é responsabilidade da Madeira

 

Lusa/AO Online   Regional   24 de Dez de 2013, 06:08

O vice-presidente do Governo dos Açores considerou na segunda-feira que o agravamento do saldo negativo das regiões em termos de execução orçamental, registado entre janeiro e novembro, é, "na íntegra, responsabilidade da Região Autónoma da Madeira".

 

De acordo com a síntese de execução orçamental de novembro,  divulgada, o mau desempenho global do país alarga-se às administrações regionais e local, sendo que, no caso específico das regiões, passou-se de um défice de 266 milhões de euros no final de 2012 para os 759,9 milhões de euros entre janeiro e novembro deste ano.

“O valor referido, decorrente da execução orçamental de novembro, no conjunto das duas regiões (Açores e Madeira) revela um saldo negativo de 759, 9 milhões de euros, sendo, no entanto, que, na íntegra, este saldo é responsabilidade da Região Autónoma da Madeira, tendo em conta que o seu saldo negativo é de 795 milhões de euros”, declarou Sérgio Ávila à agência Lusa.

Sérgio Ávila especifica que este valor “resulta do contributo exclusivo, e na íntegra, da Madeira e não dos Açores”, não tendo esta última Região Autónoma, até ao final de novembro, “registado qualquer valor negativo”.

O vice-presidente do Governo dos Açores concluiu que, no período em referência, a região “registou um valor positivo de 35,2 milhões de euros”.

O défice das administrações públicas em contabilidade pública contabilizado de acordo com os critérios da ‘troika’ “terminou os primeiros nove meses do ano nos 7,76 mil milhões de euros, de acordo com o Governo.

Segundo a síntese de execução orçamental de novembro divulgada hoje, entre janeiro e novembro deste ano o défice atingiu os 7.757,3 milhões de euros.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.