Açoriano Oriental
Covid-19
Governo britânico defende novas restrições apesar das críticas

O Governo britânico defendeu o novo sistema de três níveis de restrições para travar a pandemia de covid-19 apresentado na véspera, apesar de os assessores científicos do governo terem recomendado medidas mais duras há três semanas.

Governo britânico defende novas restrições apesar das críticas

Autor: Lusa/AO Online

O ministro da Habitação e Comunidades, Robert Jenrick, disse hoje à BBC que o plano do Governo representa uma “intervenção firme” que teve em conta os conselhos dos cientistas para conter a crescente transmissão do coronavírus no país.

Porém, acrescentou, "também temos de equilibrar isso com o efeito sobre a economia, empregos e meios de subsistência das pessoas, sobre a educação, à qual damos prioridade, e todas as outras consequências indesejadas”, como o impacto na saúde mental ou atrasos em intervenções cirúrgicas.

A taxa de desemprego no Reino Unido continuou a subir nos três meses entre junho e agosto para 4,5% em média, contra 4,1% entre maio e julho, mas os economistas avisam que o pior ainda está por vir.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, revelou o novo sistema primeiro no parlamento e depois numa conferência de imprensa transmitida pela televisão, colocando a cidade de Liverpool na categoria de maior risco.

Aplicando-se a áreas onde as taxas de transmissão causam mais preocupação, o nível de alerta máximo determina o encerramento de ‘pubs' e bares exceto para servir refeições e proíbe a socialização entre pessoas de agregados familiares diferentes em espaços interiores e jardins privados.

O segundo nível mais alto reflete muitas das restrições locais atuais em vigor em partes do norte e centro de Inglaterra, nomeadamente a interdição de socializar em espaços fechados, mas permite ajuntamentos de até seis pessoas ao ar livre.  

O nível médio, que é também o mais baixo dos três, abrange atualmente a maior parte do país onde se aplicam as medidas nacionais, nomeadamente o limite de grupos até seis pessoas em espaços fechados ou abertos, e o encerramento de bares e restaurantes às 22:00.

Estas últimas restrições foram anunciadas há três semanas, quando os assessores médicos e científicos do Governo recomendaram medidas mais duras, incluindo um confinamento de duas a três semanas para funcionar como “disjuntor” e interromper as taxas de infeção que aumentavam rapidamente.

Um relatório do Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências [SAGE] datado de 21 de setembro e publicado na segunda-feira à noite sugeria ainda a proibição a nível nacional de socialização entre núcleos familiares diferentes, o encerramento de bares, cafés e restaurantes e passar todas as aulas do ensino superior para a Internet.

Porém, das sugestões o primeiro-ministro apenas aceitou a de recomendar o teletrabalho.

O deputado do Partido Trabalhista, Jonathan Ashworth, ministro sombra da Saúde, qualificou o conteúdo do relatório como “alarmante” e reiterou o receio do principal partido da oposição de que as novas anunciadas não sejam suficientes.

“O governo agora precisa explicar com urgência por que ignorou os seus próprios cientistas e o que vai fazer para retomar o controlo do vírus”, vincou.

O novo sistema de restrições, introduzido para uniformizar e simplificar os diferentes grupos de restrições em vigor em diferentes localidades afetadas por taxas elevadas de infeção, vai ser debatido e votado esta tarde no parlamento.

Cerca de 20 deputados conservadores manifestaram reservas sobre mais restrições, mas seriam necessários mais para conseguir bloquear a legislação.

Uma sondagem da empresa YouGov indica que 40% dos britânicos considera as novas medidas insuficientes e só 15% pensam que vão longe demais, mas a maioria (64%) julga que o Governo não tem um plano claro para combater a pandemia covid-19.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.