Açoriano Oriental
Governo alarga o prazo e o âmbito do programa Recuperar
O Governo dos Açores decidiu alargar o programa Recuperar, prorrogando por mais seis meses a sua duração e passando a possibilitar que as instituições sem fins lucrativos nas áreas do apoio social e da educação possam também desenvolver projetos no âmbito deste programa.
Governo alarga o prazo e o âmbito do programa Recuperar

Autor: Ana Carvalho Melo

O vice-presidente do Governo Regional afirmou que o objetivo é “intensificar o esforço que vem sendo desenvolvido no fomento do emprego, reforçando as condições de inserção no mercado de trabalho de desempregados que já não estão recebendo o subsídio de desemprego”.

“O programa Recuperar superou todas as nossas expectativas, beneficiando atualmente 760 pessoas que, graças a um esforço, que é conjunto, dos serviços da administração pública regional, dos municípios e das juntas de freguesia, bem como de cooperativas e associações sem fins lucrativos, foram apoiadas na sua integração no mercado de trabalho”, frisou Sérgio Ávila.

Para o vice-presidente, ao alargar o prazo de duração dos projetos e o leque de áreas em que eles são possíveis, estão a ser criadas "mais condições para o regresso ao mundo do trabalho de pessoas na situação de desemprego e, também, a reforçar o apoio às entidades que se candidatam à concretização de projetos que, sem o apoio do Governo, não poderiam ser realizados”.

As alterações ao programa Recuperar produzem efeitos imediatos, abrangendo também os projetos cujo termo se aproximava, o que, na opinião de Sérgio Ávila, “confere maior estabilidade aos trabalhadores e às entidades que os acolhem”.

Para o Vice-Presidente do Governo dos Açores, o alargamento do prazo e da abrangência deste programa ocupacional “reforça, de forma significativa, o apoio a pessoas que estavam desempregadas e que tinham ficado sem rendimentos em virtude de o Governo da República ter reduzido o prazo de vigência do subsídio de desemprego”.

O apoio a atribuir aos destinatários do programa Recuperar é igual ao salário mínimo regional, que será majorado em função da qualificação apresentada pelos desempregados.

Os trabalhadores com habilitação inferior ao 9.º ano de escolaridade terão direito a um apoio equivalente ao salário mínimo regional, enquanto os que possuam um nível de qualificação até ao 12.º ano terão direito a uma majoração equivalente a 1,25 do salário mínimo regional e os desempregados licenciados serão apoiados mensalmente com uma majoração equivalente a 1,5 do salário mínimo regional.

Os promotores dos projetos candidatáveis ao programa continuarão a comparticipar com um montante mensal de 100 euros por cada trabalhador, sendo essa uma forma de também responsabilizar as entidades no objetivo da inserção do trabalhador.

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.