Feira Constrói-Angola 2009 termina marcada pela presença portuguesa


 

Lusa / AO online   Economia   18 de Out de 2009, 13:44

A 7ª edição da feira Constrói-Angola 2009, na Feira Internacional de Luanda (FILDA), chega hoje ao fim com a esmagadora presença de empresas e propostas portuguesas, incluindo na área dos media, a marcar o certame.

Durante esta edição da Constrói-Angola, 124 empresas de Portugal, 18 do Brasil, 14 da China, três de Espanha e, com uma cada, Itália, Alemanha e África do Sul, marcaram presença, havendo ainda a registar o lançamento de uma revista temática.

A revista Infra-Estruturas África foi lançada sábado direccionada para todos os sectores que acompanham a edificação de infra-estruturas, focando-se, anunciam os promotores, em temáticas como engenharia, arquitectura, urbanismo, maquinaria, materiais de construção, transportes, ambiente, energia e reciclagem.

A Infra-Estruturas África, segundo informação disponibilizada pela revista, “terá uma forte componente técnico-científica, publicando entrevistas e colunas de opinião, artigos técnicos, notícias, reportagens e diversos trabalhos em domínios de interesse para o desenvolvimento de Angola”.

“Pretende ser uma ferramenta de trabalho e irá integrar uma secção de emprego especializado onde jovens recém-licenciados e formados nas diversas áreas de abrangência da publicação para promoção dos recursos locais, sendo assim um interface com empresas e contribuindo para a cultura construtiva de Angola”, aponta ainda a documentação disponibilizada pela publicação.

Para além da revista, Portugal esteve ainda em destaque na Constrói-Angola 2009 com quatro propostas para a construção de casas que permitem ao governo de Luanda responder ao objectivo de construir um milhão de casas até 2012 para fazer face à escassez de habitação no país.

São quatro as empresas portuguesas que apresentaram projectos desta natureza: Opway-Angola, a H4U, a AIMMP e ainda Movex Angola.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.