Agricultura

Camas de leiva das estufas podem ter alternativa orgânica

Camas de leiva das estufas podem ter alternativa orgânica

 

João Alberto Medeiros   Regional   9 de Out de 2009, 11:11

A cooperativa Profrutos está a desenvolver em parceria com várias entidades uma solução orgânica para as camas de leiva, cuja apanha foi entretanto proibida.
Neste sentido, optou-se pela utilização do húmus orgânico, que visava, numa primeira fase, suprir apenas as necessidades dos produtores de ananás.

Rui Pacheco, da Cooperativa Profrutos, explica que através de um protocolo celebrado com o Instituto Superior de Agronomia, o processo começou a materializar-se.

Na fase de compostagem dos produtos orgânicos resultantes de cortes de árvores, da limpeza de jardins e estradas, os municípios (AMISM) revelaram interesse no projecto.
Mais tarde, Carlos Arruda, professor  do Instituto Superior de Agronomia, considerou que seria mais enriquecedor ser o produto alvo de vermicompostagem e assim enriquecido.

Posteriormente a esta fase, chegou-se à conclusão que o contributo para o Ambiente poderia ser aumentado com a intervenção da utilização de lamas e de produtos com origem nas fábricas de lacticínios e viteleiros.

Pretende-se evoluir para uma zona mais alargada do que a existente, a pensar essencialmente na alimentação das minhocas.

Para além dos produtores de ananás, também os produtores de produtos hortícolas e florícolas, bem como a própria pecuária, poderão vir a beneficiar deste projecto.

Seis meses é o tempo necessário para se proceder à compostagem, sendo necessários mais quatro para a vermicompostagem. Neste momento, já existe algum produto que se encontra em fase de análise.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.