Caso Scolari

Advogado está "parcialmente satisfeito" mas admite novo recurso


 

Lusa / AO online   Futebol   4 de Out de 2007, 15:55

Gianpaolo Monteneri, o advogado italiano contratado para defender o seleccionador de futebol de Portugal, revelou-se hoje "parcialmente satisfeito" pela redução do castigo a Scolari, mas admitiu novo recurso para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).
    "Estamos parcialmente satisfeitos, mas temos que esperar pelos fundamentos escritos desta decisão para decidirmos o que fazer. Houve um reconhecimento dos nossos argumentos pela Comissão de Recursos", afirmou o jurista, especializado em questões desportivas, à saída da sede da UEFA, em Nyon, Suíça, confirmando haver ainda a hipótese de novo apelo, agora junto do TAS, também na Suíça, mas em Lausana.

    O treinador brasileiro Luiz Felipe Scolari, ouvido hoje na Comissão de Recurso da União Europeia de Futebol (UEFA), viu a pena inicial da Comissão de Controlo e Disciplina da UEFA ser alterada de quatro jogos de suspensão para três meses, o último dos quais em suspenso por dois anos, mantendo-se a multa de cerca de 12.000 euros, devido à agressão ao internacional sérvio no final da partida que terminou empatada (1-1), a 12 de Setembro, no Estádio José Alvalade.

    Como o último encontro do Grupo A de apuramento para o Euro2008 se realiza a 21 de Novembro, Scolari já se encontrará sob pena suspensa, podendo orientar a "equipa das quinas" do banco de suplentes do Estádio do Dragão, na recepção à Finlândia, pois os dois meses de pena efectiva são contabilizados a partir da primeira decisão, por parte da Comissão de Controlo e Disciplina da UEFA e anunciada a 20 de Setembro.

    Flávio Teixeira "Murtosa", um dos adjuntos de Scolari, deverá ser o responsável técnico de Portugal nos próximos três encontros do Grupo A: visitas de Portugal ao Azerbaijão (13 Out) e ao Cazaquistão (17 Out) e a recepção à Arménia (17 de Nov).

    Portugal ocupa a terceira posição do agrupamento, a quatro e a dois pontos de Polónia e Finlândia, respectivamente, embora com menos um jogo disputado do que aquelas selecções.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.