Tribunal de recurso concorda que Trump deve entregar declarações fiscais

Tribunal de recurso concorda que Trump deve entregar declarações fiscais

 

Lusa/AO online   Internacional   4 de Nov de 2019, 16:23

Um tribunal de recurso de Nova Iorque, nos EUA, rejeitou o pedido de Donald Trump para não entregar as suas declarações fiscais dos últimos anos às autoridades que o investigam.

O Presidente dos EUA está a ser investigado pelo uso de fundos de campanha eleitoral para comprar o silêncio de uma atriz pornográfica, Stormy Daniels, e uma modelo, Karen McDougal, que afirmam ter tido relações sexuais com Donald Trump, antes das eleições de 2016.

Os advogados do Presidente alegam que um Presidente em exercício não pode ser investigado e prometem voltar a recorrer desta sentença, podendo a questão ser levada até ao Supremo Tribunal de Justiça.

A decisão judicial concorda com uma primeira sentença de um tribunal de Nova Iorque, que tinha dado razão a um pedido dos procuradores que investigam os fundos de campanha de Donald Trump.

Hoje o juiz-chefe do segundo círculo de Nova Iorque, Robert Katzmann, considerou o direito dos procuradores que conduzem a investigação a aceder a dados do agora Presidente.

“Defendemos que qualquer imunidade presidencial de processos criminais não impede a aplicação de tal intimação”, escreveu Katzmann, na sua sentença, dando razão aos procuradores que justificam o pedido de acesso dizendo que se refere a dados de atos comerciais e financeiros e não a atos oficiais do Presidente.

Esta investigação ocorre no mesmo momento em que o Presidente está a ser sujeito a um inquérito para destituição, no Congresso norte-americano, acusado de abuso no exercício de poder, por ter pressionado o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, a investigar a atividade junto de uma empresa ucraniana do filho de Joe Biden, ex-vice-Presidente dos EUA e agora rival político de Trump.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.