Mau Tempo

Soure decreta calamidade pública após prejuízos em 90% das habitações


 

Lusa/Ao online   Nacional   14 de Out de 2018, 11:17

Noventa por cento das habitações de oito das dez freguesias de Soure sofreram danos na sequência do furacão Leslie, que atingiu a região Centro, no sábado, disse este domingo o  presidente da Câmara, que vai decretar estado de calamidade pública no concelho.


Mário Jorge Nunes disse à agência Lusa que quatro famílias já foram realojadas em casas de familiares e que estão a sensibilizar uma pessoa para ser encaminhada para um lar ou para uma unidade hoteleira.

O presidente do município explicou também à Lusa que irá cancelar um evento que estava agendado para terça-feira, na qual eram esperados mais de 200 especialistas em saúde mental, além de membros do Governo e de variadas associações.

“O grande problema neste momento é a energia elétrica, porque a EDP não sabe quando poderá retomar o fornecimento. Em 2013, numa situação um pouco semelhante, estivemos quatro dias sem eletricidade”, recordou.

Mário Jorge Nunes indicou ainda a ausência de comunicações como um problema e especificou que o abastecimento de água também está comprometido.

“Estamos a tentar servir energia elétrica às captações de água. Às 13:00, haverá reunião da proteção civil e iremos decretar calamidade pública”.

Além dos diversos prejuízos em instalações particulares, registo ainda para a cobertura destruída de vários pavilhões municipais, assim como de coberturas em escolas.

“Vamos avaliar se haverá ou não aulas” na segunda-feira.

A Proteção Civil disse hoje que “os maiores perigos já passaram” em relação à tempestade Leslie por Portugal e que vai fazer uma avaliação com o IPMA, às 11:00, sobre a situação de alerta no país.

“Os maiores perigos já passaram”, disse o comandante Belo Costa, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), num ponto de situação aos jornalistas, às 09:00 na sua sede, em Carnaxide, Lisboa.

As 1.890 ocorrências registadas pela Proteção Civil dividem-se em 1.218 quedas de árvores, 53 movimentos de massas, 98 inundações, 441 quedas de estruturas e 75 limpezas de vias. A ANPC registou ainda 27 feridos ligeiros, três pessoas assistidas no local, 61 desalojados “devido a casas destelhadas ou quedas de árvores sobre habitações” e que conseguiram, maioritariamente, encontrar alojamento junto de familiares, não havendo “situações críticas” nesta matéria.

O responsável adiantou ainda que mais de 300.000 pessoas foram afetadas por cortes de energia, sendo o número de afetados mais reduzido neste momento, com o trabalho de reposição gradual realizado ao longo da noite.

O corte de energia, que afetou um total de 324.400 pessoas, de acordo com os números da ANPC, tem particular incidência nos distritos de Coimbra e Leiria.

A passagem da tempestade Leslie provocou ocorrências maioritariamente em Coimbra, Leiria, Aveiro, Viseu, Lisboa e Porto, por esta ordem quanto ao número de incidências.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.