Setembro e Outubro podem ser meses complicados - Sindicato Oficiais de Polícia

Setembro e Outubro podem ser meses complicados - Sindicato Oficiais de Polícia

 

Lusa/Aonline   Nacional   5 de Set de 2011, 08:14

O presidente do Sindicato Nacional de Oficiais de Polícia (SNOP) alertou hoje para a possibilidade de setembro e outubro serem meses complicados em matéria de Segurança Interna devido ao estado de “indignação geral” vivido na Policia de Segurança Pública.

“Sem pretender dramatizar porque não é positivo criar alarmismos, o que nos parece é que os meses de setembro e outubro vão ser muito complicados no âmbito da Segurança Interna e no caso concreto da PSP”, disse o Comissário Carlos Ferreira referindo-se por exemplo ao facto da maior associação sindical da PSP (ASPP) ter já convocado uma semana de indignação.

Outras estruturas sindicais, frisou, estão na expectativa para ver que sinais positivos o Governo dará para a resolução dos problemas desta força policial, para que a “conflitualidade que se prevê não se prolongue e não atinja níveis difíceis de controlar”.

A Comissão Coordenadora Permanente (CCP) dos Sindicatos e Associações dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança realiza entre 21 e 28 de setembro a “Semana da indignação dos Polícias”, que terá início com um encontro nacional no Porto para avaliar a evolução da situação.

Caso o Governo não “cumpra com a lei” e com os estatutos remuneratórios que já deveriam ter entrado em vigor na PSP e na GNR no ano passado, a CCP vai promover ao longo dessa semana várias ações de protesto, que poderão passar por paralisações e uma manifestação em Lisboa.

A CCP é constituída pela Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP), Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), Associação Sócio-profissional da Polícia Marítima (ASPPM), Sindicato Nacional dos Guardas Prisionais (SNGP), Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF-SEF) e Associação Sindical dos Funcionais da ASAE.

A imagem que os oficiais transmitem sempre, adiantou Carlos Ferreira, é de responsabilidade e de ponderação, mas sem deixar de alertar e transmitir para o seio da PSP e para o Governo, “que os problemas dos agentes e chefes são também problemas dos oficiais, que têm a obrigação de lutar pelas condições de trabalho de todos os polícias”.

O dirigente assegura que o agravar das condições de vida dos polícias portugueses, que em início de carreira ganham pouco mais de 800 euros e têm a família distante, “pode criar o perigo do próprio efetivo policial sofrer um aumento da conflitualidade interna que os impeça de trabalhar de forma concentrada e com a serenidade necessária para atuarem corretamente nos momentos difíceis, com determinação e sem excesso, porque a instabilidade emocional é também um risco para o cidadão”.

Carlos Ferreira acrescenta ainda que num momento em que é muito previsível um aumento significativo da criminalidade, resultante do agravamento das condições de vida, os polícias terão que estar preparados e mentalizados para o combate ao crime e proteção das pessoas e dos seus bens.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.