Açoriano Oriental
Livre critica abstenção de Joacine Katar Moreira no voto sobre Gaza

O Livre manifestou hoje preocupação com a abstenção da deputada única Joacine Katar Moreira na condenação pela "nova agressão israelita a Gaza", aprovado na sexta-feira no parlamento, um voto "em contrassenso" com o programa e as posições do partido.

article.title

Foto: TIAGO PETINGA/LUSA
Autor: AO Online/ Lusa

Na sexta-feira, em plenário da Assembleia da República, foi aprovado um voto apresentado pelo PCP de "condenação da nova agressão israelita a Gaza e da declaração da Administração Trump sobre os colonatos israelitas", texto que teve votos contra de PSD, CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal, bem como a abstenção da deputada única do Livre, Joacine Katar Moreira, e do deputado socialista Ascenso Simões.

"O Grupo de Contacto do Livre manifesta a sua preocupação com o sentido de voto da deputada Joacine Katar Moreira, em contrassenso com o programa eleitoral do Livre e com o historial de posicionamento do partido nestas matérias", condena a direção do partido, num comunicado emitido hoje.

Segundo o mesmo comunicado, "o texto apresentado pelo PCP colhe uma posição favorável por parte da direção do partido Livre".

A direção do Livre reitera ainda que a abstenção da deputada única do partido "não reflete as tomadas de posição oficiais do partido sobre o tema em questão".

O partido, "enquanto subscritor dos princípios do Direito Internacional, manifesta a sua preocupação com as posições do presidente norte-americano e do seu secretário de Estado" nesta questão, considerando por isso "justificada uma tomada de posição da Assembleia da República como a expressa na moção em causa".

"A posição do Livre sobre a Palestina é clara desde a fundação do partido: pela autonomia do território e pelo reconhecimento do Estado da Palestina. Ao longo dos nossos seis anos de existência foram várias as ocasiões em que pudemos dar conta desta posição e da vontade do Livre em defender a causa palestina na Assembleia da República", justifica.

Na perspetiva do partido que recentemente chegou ao parlamento, "a União Europeia, à semelhança do que já foi feito por uma boa parte da comunidade internacional", deve reconhecer "finalmente o Estado da Palestina".

"No entanto, caso esse reconhecimento continue a ser protelado, achamos que Portugal deve avançar em nome próprio e reconhecer a Palestina como um Estado soberano. Para o Livre, apenas este reconhecimento pode permitir um cenário de paz e coexistência na região e condições de vida dignas para os palestinianos", defende.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.