Açoriano Oriental
Conselho de Defesa Nacional aprova missões militares no estrangeiros para 2020

O Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) deu luz verde às propostas das Forças Nacionais Destacadas (FND) para 2020 já com “financiamento assegurado” e “parecer condicional” para as “propostas pendentes de financiamento” no próximo ano.

article.title

Foto: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
Autor: Lusa/AO Online

O CSDN reuniu-se, no Palácio de Belém, em Lisboa, presidido pelo Chefe do Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, para apreciar a situação sobre as FND em 2019, e apreciar as propostas do Governo para 2020, segundo um comunicado do conselho, lido pelo secretário, tenente-general Manuel Rafael Martins.

O conselho deu “parecer favorável ao conjunto das propostas das Forças Nacionais Destacadas para 2020, nomeadamente para as que têm financiamento assegurado” e “deu parecer favorável condicional para as propostas pendentes de financiamento”, também em 2020.

A nota informativa dá ainda conta que Marcelo Rebelo de Sousa deu posse a três novos membros do conselho, após a eleição do novo parlamento, em outubro – Marcos Perestrelo, como presidente da Comissão parlamentar de Defesa Nacional, pelos deputados eleitos pela Assembleia da República, João Ataíde (PS) e Fernando Negrão (PSD).

Em 18 de novembro, o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, disse à Lusa que o Governo vai propor o reforço das missões militares de segurança em África, nomeadamente no Mali.

“A perspetiva do Governo é a de que podemos manter e até reforçar a nossa relação de segurança com o continente africano. O esforço que foi feito em 2018 e 2019 é para continuar assumindo a liderança da Missão de Formação da União Europeia no Mali”, disse Gomes Cravinho, que se encontrava em Dacar, Senegal, para participar no 6.º Fórum Internacional de Dacar sobre a Paz e a Segurança em África.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.