Sociedade

ASAE apreende 70 embalagens de produtos com leite e quase 3 toneladas de alimentos


 

Lusa/AO online   Nacional   26 de Set de 2008, 23:02

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu hoje 70 embalagens de produtos com leite e quase três toneladas de alimentos, um dia depois de afirmar não ter detectado no mercado quaisquer produtos lácteos provenientes da China.

Na operação a nível nacional, refere a ASAE em comunicado divulgado hoje à noite, "foram apreendidas 70 embalagens de produtos que continham leite na sua composição e cerca 2.850 quilos de géneros alimentícios, designadamente chocolates, preparados de sopas e bolachas que continham produtos lácteos e falta de rotulagem".
No total, adianta, foram fiscalizados 364 agentes económicos, tendo a operação resultado em 27 processos de contra ordenação e na suspensão de quatro estabelecimentos por falta de higiene, bem como de um supermercado onde "todos os produtos que se encontravam à venda não possuíam rotulagem em português".
A acção, que envolveu 60 brigadas, foi lançada "na sequência das notícias vindas a público sobre a existência à venda no mercado português de leite e produtos derivados de leite, proveniente da China", destinando-se a verificar se estes de facto estavam disponíveis no mercado.
"A ASAE continuará atenta ao mercado, desenvolverá as iniciativas necessárias para o cumprimento da legislação nacional e de eventuais deliberações comunitárias", refere o comunicado hoje divulgado.
Quinta-feira, a ASAE afirmou ter reforçado a vigilância no mercado, nomeadamente através da "colheita de amostras de produtos lácteos e de outros produtos que contenham leite na sua composição, como bolachas, biscoitos ou chocolates, para posterior análise laboratorial".
"No contexto da actuação de rotina e do conhecimento das condições de mercado, a ASAE não possui actualmente qualquer evidência de que possam ter ocorrido exportações ilegais para Portugal de produtos lácteos provenientes daquele país", referia.
A Agência Lusa procurou obter esclarecimentos junto da assessora da ASAE mas, até ao momento, sem sucesso.
A Comissão Europeia anunciou quinta-feira que vai impor um embargo total aos produtos para crianças provenientes da China que sejam considerados de risco.
Todos os produtos provenientes da China que contenham mais de 15 por cento de leite em pó, como biscoitos ou chocolate, serão submetidos a testes de qualidade.
Prevê-se também fiscalizar os produtos deste tipo que já se encontrem no mercado europeu. 
Na quinta-feira, a agência Lusa encontrou numa loja de produtos chineses no Porto a vender produtos que contêm leite em pó, depois de a Comissão Europeia ter anunciado que vai impor um embargo total aos produtos para crianças provenientes da China que sejam considerados de risco, na sequência do escândalo do leite contaminado chinês, divulgado a 13 de Setembro.
A loja do Porto onde a Lusa encontrou quinta-feira produtos lácteos oriundos da China vende, entre outros, leite, bolachas e refeições com leite em pó.
O inspector-geral da ASAE admitiu hoje ser incapaz de garantir que não há importação ilegal e paralela de pequenas quantidades de produtos lácteos da China mas reafirma que a vigilância foi reforçada.
"A ASAE não tinha indícios de que houvesse importação de leite e derivados para Portugal, medida proibida desde 2002. O que não quer dizer que não possa existir em pequenas quantidades por canais informais", afirmou à Lusa António Nunes.
António Nunes garantiu ainda que a ASAE vai verificar todas as cadeias de importação de produtos, restauração e lojas de produtos orientais apreendendo todos os produtos à base de leite proveniente da China que forem encontrados.
Quanto aos sucedâneos, como rebuçados ou bolachas, serão recolhidas amostras e, sempre que haja qualquer irregularidade, serão apreendidos.
O escândalo deu-se com a revelação de que produtos lácteos produzidos por pelo menos 22 empresas chinesas continham melamina, um composto químico com alto teor de nitrogénio que perturba o funcionamento do sistema urinário.
Até ao momento, a melamina já levou à morte de quatro bebés, havendo cerca de 53 mil intoxicados na China, 13 mil dos quais hospitalizados, dos quais 104 em estado grave.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.