27 tentam segunda-feira limar diferenças para acordo quanto às Alterações Climáticas

27 tentam segunda-feira limar diferenças para acordo quanto às Alterações Climáticas

 

Lusa / AO online   Internacional   19 de Out de 2008, 12:19

Os ministros do Ambiente da União Europeia (UE) devem debater segunda-feira alguns dos pontos mais difíceis do plano europeu contra as alterações climáticas, pressionados pela necessidade de ultrapassar rapidamente as diferenças para chegar a um acordo em Dezembro.
    A crise financeira está a ameaçar as medidas previstas, como aconteceu na cimeira que os líderes da UE celebraram nas passadas quarta e quinta-feira, quando cerca de uma dezena de países pediram diminuição do nível de compromissos.

    O presidente francês, Nicolas Sarkozy, que actualmente preside à UE, sugeriu que o acordo final quanto às medidas climáticas fosse adiado para a cimeira de Dezembro, o que tornará necessária a unanimidade e permitirá a qualquer país opor o seu veto.

    Polónia e Itália têm ameaçado recorrer a esta opção, se os interesses dos respectivos sectores industriais não forem satisfeitos.

    Neste contexto, os titulares do Ambiente centrarão o debate de segunda-feira na revisão do sistema europeu do comércio das emissões, que forçará as indústrias à diminuição das emissões de gases poluentes em cerca de 21 por cento até 2020, em relação aos níveis de 2005.

    Por outro lado, os ministros falarão dos sectores da indústria mais contaminante, que poderiam ficar isentos do pagamento de licenças, caso se provasse que isso pode incitar à deslocalização de fábricas para lugares com uma legislação ambiental mais permissiva.

    Abordarão ainda os chamados "mecanismos de flexibilidade", que permitem que um Estado possa compensar os seus excessos de emissões contaminantes investindo em tecnologias limpas em países terceiros.

    Os países mais antigos da UE querem poder usar mais vezes este mecanismo além do permitido por Bruxelas.

    A Europa comprometeu-se solidariamente a reduzir as suas emissões de gases de efeito de estufa em 20 por cento em 2020 com respeito aos níveis de 1990.

    Propôs-se ainda, para o mesmo ano, a alcançar a meta de que 20 por cento da energia final consumida proceda de renováveis e a baixar em 20 por cento o consumo energético.

    O Conselho de Ambiente tem previsto ainda tratar uma proposta de regulamento para proibir os produtos derivados da caça cruel de focas, debater uma norma que regula a aprovação comunitária dos organismos geneticamente modificados e preparar a participação da UE na Conferência ministerial Euromediterrânica sobre a Água, que terá lugar a 29 de Outubro na Jordânia.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.