Açoriano Oriental
Escola
Escola Secundária da Lagoa

Medo, saudade, persistência, vontade de recomeçar e esperança nas palavras dos alunos da ESLagoa.


 

No tempo em que os telefones só tinham fios, ou mesmo quando não havia telefones, ou indo ainda mais para trás na história, eram as cartas que traziam as mais diversas notícias, que contavam a história. As cartas ajudaram os pensadores do mundo antigo a construir o mundo moderno e são muitas as que entraram no mundo e na história da literatura. Em tempos de guerra as mães esperavam as cartas dos filhos e as esposas as cartas dos maridos, eram sinais de que ainda estavam vivos! Os tempos da emigração também encheram muitas caixas de correio com linhas e linhas de saudade. Hoje tudo é mais rápido e mais fácil. Ainda se trocam alguns parágrafos por email mas são inúmeras as mensagens, muitas as fotografias que circulam nas redes sociais! E as cartas? Estas já há muito que vêm caindo em desuso. Durante a interrupção letiva os nossos alunos tiraram algum tempo para escrever. Tempo não era problema porque até chegava para ver o tempo passar... Desafiamos então os nossos alunos a escrever uma carta ao FUTURO! Aqui ficam os trabalhos recebidos!

1                                                                                                   São Miguel, 13 de abril de 2020

Sonhado Futuro,

Desejo que recebas esta carta com carinho e a interpretes não como uma demonstração de medo, mas sim como forma de dizer que estarei preparada para quaisquer que sejam as tuas decisões.

          Não anseio por ti, mas espero-te com toda a esperança de que sejas aquilo que sonho tão perdidamente entre pensamentos divididos, entre dúvidas e indecisões.

Não peço que não sejas duro comigo nem para chegares depressa ou vagarosamente, só te peço que faças o que tiveres de fazer, sem dó nem piedade, no tempo acurado, porque para aprender a crescer é preciso saber ser, ver, sentir, perceber, cair e levantar. Mas, essencialmente, saber ser surpreendido da melhor e pior forma e reagir o mais acertadamente possível.

          Então, peço-te para mo ensinares da forma que mais te parecer assertiva, pois estou disposta a capacitar-me para tal e a notar o meu potencial.

          Se vou viver muito ou pouco, cabe-te a ti deliberar, agora se vou ser aquilo que desejo ser, cabe-me a mim estruturar o meu caminho e esforçar-me por aquilo que aspiro, porque eu tenho o poder de optar por me tornar na pessoa que me inspiro, o meu EU futuro, o resto deixo contigo.

Conjeturo que estejas muito ocupado a pensar sobre como, quando, quem, onde, porquê...compreendo-te, todos os dias o faço.

          Pensa com cortesia e dedicação. :)

 

                                                                                                         Abraços respeitosos,

                                                                                                                               Beatriz

 

  2                                                                                                     Lagoa, 11 de abril de 2020

  Meu caro amigo Futuro,

          Estou eu em casa, de quarentena, sentada no meu jardim, refletindo um pouco, escrevendo-te esta carta.

          Como deves saber, nós estamos a passar por uma fase de pandemia mundial, algo em que nunca pensávamos que iria acontecer… não podemos sair de casa, não podemos estar com a família, com os amigos,.... mas sim em isolamento em casa para o bem de cada um de nós. Tudo isto devido a um vírus que apareceu e que está a afetar o mundo inteiro.

          Este pequeno vírus consegue fazer mil e umas coisas, provoca milhares de mortes e causa uma grande crise económica. Sinto-me desesperada por não fazer nada em casa, mesmo fazendo coisas que faço todos os dias, mas que já cansa, é como se fosse um “ciclo”. Também tenho um medo dentro de mim, que isto possa causar algo pior do que já estamos a passar, mas, por outro lado, sei que conseguimos vencer esta batalha, com a ajuda dos profissionais de saúde, da proteção civil e também depende de cada um de nós.

          Enfim, Futuro, espero que quando nos conhecermos, tudo isto tenha sido apenas uma história, um episódio sem repetição e que, sobretudo, já possamos levar uma vacina que nos proteja deste vírus. Tu, Futuro, estás em nossas mãos.

                                                                                      Com os melhores cumprimentos

                                                                                  desta tua amiga do passado,

                                                                                        Catarina Carlos

3

Olá, Diogo do Futuro

     Este ano está a ser o pior de todos os que já vivi. Viver sob uma pandemia é muito frustrante por várias razões. Primeiramente, porque é obrigatório ficar em casa de quarentena, não podendo sair de casa, aliás, pode-se, porém só para o necessário, como alimentação, higiene pessoal…. Segundamente, porque as pessoas ficam aterrorizadas ao verem o número de mortes, contaminados e casos suspeitos, aumentar diariamente. É mesmo assustador!

     Sempre ouvi falar nos livros, nos filmes, nas lendas, mas viver a história, viver o momento é muito mais preocupante, porque é real! E ainda há pessoas que querem contrariar as medidas de precaução propostas pelo SNS, desobedecendo a primeira e mais importante: DISTANCIAMENTO SOCIAL!

     Se bem que não foi necessário mais de uma semana para o mundo auto regenerar-se e voltar a respirar AR PURO, depois de tantos anos, décadas, séculos…. O mundo estava a precisar de um descanso e assim arranjou a solução….

     Espero que quando receberes esta carta já esteja tudo normalizado, tudo tranquilo, que os cientistas tenham arranjado a cura! E já sabes, levas desta experiência muita aprendizagem, como também uma história para contares aos teus descendentes.

    Com todo o carinho e respeito,

                                                                                            Diogo Silva

                          Região Autónoma dos Açores, São Miguel, 07 de abril de2020

4

      Caro amigo Futuro,

       espero que tenhas encontrado esta carta alguns anos após ter sido escrita. Quem estiver a ler isto, trago algumas informações do meu tempo, neste caso do passado.

      No ano de 2020, vivemos uma época de crescimento económico, científico e de desenvolvimento em todos os setores, mas, mesmo assim, deparámo-nos com inúmeras crises, guerras sem sentido e até mesmo pandemias, as quais passaram para a história. Tudo isto atrasou-nos imenso, fazendo com que os carros voadores da nossa imaginação fossem planeados para daqui a muito mais tempo do que o imaginado. Não só os nossos sonhos sendo adiados, mas também tivemos que pagar um preço pela nossa sorte na evolução. Refiro-me às alterações climáticas, que tanto prejudicaram o Planeta, além disso fomos obrigados a resolver esta crise mundial o mais rapidamente possível ou, caso contrário, seríamos derrotados.

     Mas, não penses que na minha época só houve desastres, como mencionei vivemos um crescimento económico, a liberdade de sabedoria foi aumentando, devido ao surgimento das redes de pesquisa e sociais e também tivemos mais oportunidades do que era possível ter nos anos de 1945-1991, conhecidos como a Guerra Fria. Acredites ou não, a vida era bem pior nessa época, nem vou citar como era nas Guerras Mundiais.

     É tudo o que tenho a dizer sobre o meu tempo, espero que as crises já tenham acabado e que a população esteja mais responsável do que na minha época.

                                                      

                                                     Um grande abraço e fica bem,

                                                                                     Henrique Coelho Miranda

 

P.S: Pesquisa um pouco para mais informações sobre o início do milénio de 2000 :-)

 

5                                                                                         Lagoa, 12 de abril de 2020

            Querido Futuro,

            Neste exato momento, estou sentada no meu aconchegante sofá, a lembrar-me de tudo o que eu estava a viver sem estar a passar por esta terrível pandemia.
            Um mês atrás, estava eu naquele certo momento, com os meus amigos, com a minha família e com os meus primos a divertirmo-nos bastante e muito felizes.
            Como já deves saber, estamos a passar por uma pavorosa crise, que infelizmente está a matar muitas pessoas de vários países.
Estou muito triste porque tenho saudades de estar abraçada às pessoas de quem eu mais gosto, por também não estar com elas e, justamente, por não ter aproveitado mais enquanto podia.

            Mas, por agora, a nossa missão é rezar e respeitar, para que os médicos consigam ajudar os doentes, encontrar uma cura para acabar logo de vez com esse vírus e, finalmente, podermos voltar a falar uns com os outros como antes.

            Por fim, espero que quando nos conhecermos, este vírus não tenha passado de um pequeno susto e que tenha tudo realmente ficado bem. Só temos que respirar fundo e, como bons cidadãos, respeitar e obedecer aos médicos e a todos os profissionais de saúde. Por um momento, acredito e sinto a leveza e a alegria de que tudo irá ficar bem, quando estivermos juntos.

                                                                                                             Da tua amiga

                                                                                                               Joana Tavares

P.S. Vai ficar tudo bem!

 

6                                                                                                   Lagoa, 13 de abril de 2020

            Querido Futuro, 

Estamos passando por um momento muito delicado e assustador, que nunca imaginei que fosse passar. Sem dúvida que isto será um marco muito grande na nossa história. Estamos em casa, isolados faz quase um mês, sem poder sair, para o bem de todos. Está a ser um tempo de descobertas, onde descobrimos certas coisas que antes nem sabíamos que existiam, estamos descobrindo certas qualidades nossas e das pessoas que lidam connosco durante o dia inteiro, dia após dia. Estar com as mesmas pessoas esse tempo todo também faz com que discutamos mais, pois estamos em casa o dia todo, vendo constantemente as mesmas caras.

A única coisa que, neste momento, é o que temos mais perto do mundo exterior, são as notícias, que andam sempre à volta do mesmo assunto, a Covid19.

Não vejo os meus amigos há quase um mês e tenho muitas saudades de rir sem fim com eles durante o dia todo. Tenho saudades da escola, das aulas, das rotinas e mal posso esperar para que volte tudo ao normal. 

Os exames foram cancelados, tal como todos os festivais de verão, o que me assusta bastante, não só por estragar o verão, como também ter que continuar em casa e longe de todos os amigos durante muito mais tempo.

Está a ser complicado e desesperador ter que arranjar sempre algo para ocupar a cabeça, não só com os trabalhos da escola, mas também outras atividades que talvez durante a escola não tenha tanto tempo para as fazer.  

Só nos resta esperar, proteger-nos bem, lavar as mãos várias vezes, ter todas os cuidados possíveis e sobretudo: FICAR EM CASA!!

                                                                                                             Até breve,

                                                                                                                 Júlia Varão

 

   7                                                                                                   Lagoa, 14 de abril de 2020

             Olá, Futuro!

         Estou escrevendo esta carta para que eu depois possa refletir um pouco. Nesses dias, temos de estar em casa por causa de uma pandemia, é meio aborrecido, pois não temos muita coisa para fazer, para além disso eu não tenho como ver os meus amigos, de quem eu já começo a ter muitas saudades. Daqui a pouco começam as aulas online, não sei como vai ser, mas espero que corram bem. Enquanto não chegam as aulas online, eu faço alguns trabalhos que os meus professores têm mandado, também fico ajudando os meus pais em algumas tarefas e fico a conversar com os meus amigos, e isso é o que mais me anima e é o que mais me distrai nesses dias.

            Espero que isto não dure muito tempo, é estranho estar tão longe de certas pessoas, por tanto tempo e também não poder fazer o que eu gosto. Queria que o meu próximo ano de escola já começasse na escola e não em casa, só me resta esperar para ver o que acontece. No meu futuro, não sei o que posso estar a fazer, o que serei, como vou estar, eu sei que tenho vários planos para executar, mas não passam de planos.  Precisarei de me organizar melhor e agir da maneira correta, porém ainda estou a crescer e não interessa eu tentar fazer tudo bem, afinal de contas eu mudarei várias vezes as minhas opiniões, contudo tentarei esforçar-me sempre.

    Futuro, daqui a uns anos verei se consegui concretizar os meus planos e depois voltarei a escrever-te. Entretanto vou refletir sobre o que eu fiz.

 

           Por enquanto é tudo, até à próxima!

                                                                                     Leandro Ambrózio

 

8                                                                                              São Miguel, 7 de abril de 2020

               Querido Futuro!

               Como estás? Eu e a minha família estamos bem, apesar dos momentos difíceis que estamos a passar.

               Como sabes, estamos todos de quarentena e eu estou a cumprir com a minha parte e gostaria que todos os Seres Humanos cumprissem com a sua. Já estou sem sair de casa há um mês, mas para mim isto não é difícil, não olho para a minha casa como uma prisão. Neste tempo que estou em casa, tenho-me divertido muito, aproveito para colocar as minhas séries em dia, aquelas que costumávamos ver juntos no passado, mas nunca deixo de dar uma ajudinha em casa.           No entanto, tenho de admitir que estou preocupada com o que está a acontecer, tenho evitado assistir às notícias, pois o que vejo não é sempre do meu agrado, e deixo esta função para os meus pais, porém tenho sempre pensado positivo. E tu, como tens passado a tua quarentena? Sinto saudades das nossas conversas! Como já te tinha dito, quero ser enfermeira e este sonho só pode ser realizado com a tua ajuda! Do que mais sentes saudades? Eu sinto saudades de sair à rua, de não estar preocupada, de estar com os meus amigos, de ir à praia, entre outras coisas.

               Neste momento, tu és a única esperança que eu tenho, e sei que posso confiar em ti. Sempre me reservaste coisas boas!

  Espero ver-te em breve e prometo que vamos pôr as nossas conversas em dia.

  Um beijinho muito grande, com muitas saudades, desta tua amiga,

                                                                                                                                                                                                                                                                                      Letícia

 

9                                                                                                São Miguel, 11 de abril de 2020

Querido Futuro!

Espero que esta carta te seja entregue, que esteja tudo bem no mundo mais avançado, que as pessoas estejam muito saudáveis, e que a crise que se irá propagar quando este tremendo episódio acabar esteja estável, que consoles todas as famílias que perderam os que mais amavam, e que abençoes os médicos que são os verdadeiros guerreiros e que fazem de tudo para esta pandemia acabar.

Como deves saber, o nosso mundo está virado de pernas para o ar devido ao afamado “Covid-19”, o número de óbitos tem estado a aumentar, também os casos suspeitos e confirmados, a vacina que os ajudaria a curar ainda não existe e precisamos de ajuda.

Todavia, nem tudo que está acontecendo, está sendo um desastre, pois o aquecimento global encontra-se reduzido devido à população estar em quarentena.

Acredito que tu, Futuro, poderás ser a luz no final deste escuro túnel, aquela esperança que todos nós precisamos, por isso peço-te que fales com o teu amigo Destino e que juntos formem um caminho para que possamos passar e regressar às nossas vidas “normais”. À vista disso, fico com medo de ser infetada e a minha família também. Acordo todos os dias com esperança de que o meu pai, que está trabalhando, não fique contaminado e que não contamine os outros.

Por agora é tudo, espero que vejas esta carta e que possas fazer os possíveis para amenizar esta situação, não só por mim, mas pelos outros Seres Humanos.

                                                                                                           Cumprimentos,

                                                                                                             Mariana

   P.S - Esta Carta foi escrita com muita esperança     

 

  10                                                                                    São Miguel, 14 de abril de 2020

Querida eu,

escrevo-te esta carta como uma forma de tu te poderes conectar com o teu

passado e eu com o meu futuro.

          Não é fácil, sabes? Não é fácil escrever para o futuro! Em certa parte, porque ele é incerto e porque é algo que temo constantemente. Acredito que qualquer pessoa na minha idade o tema, só não o receia aquele que ainda não parou para pensar bem nele. Tu, melhor do que ninguém, sabes a razão pela qual eu o temo. Há muito que me aflige, desde que cresci acompanhada de um sonho. Um sonho incompreendido e desencorajado por muitos, pelo qual, por vezes, me desespero e lamento, e sinto vontade de abdicar de tudo e, por outras, encorajo-me e persisto e acredito que sou capaz. Sonho esse que não sei como lutar para que suceda, mas que expecto aprender com o tempo.

         Neste preciso momento, estou sentada no sofá a escrever-te esta carta. Já não saio de casa há mais de um mês, pois estou de quarentena, devido ao Coronavírus, lembras-te dessa época? Da época em que quase tudo estava fechado, em que estavas isolada em casa, em que dormias e vias Netflix o dia inteiro?! Espero que este vírus já tenha sido extinto, quando estiveres a ler esta carta! Lembras-te da chegada do teu sobrinho Scar? Ele está connosco há pouco tempo, tem um mês e poucos dias, dá muitas mordidas e hoje de manhã estava a andar pela casa com a blusa da minha mãe na boca. Aquele cão é um traquinas! E a Nikita? E o Chiquinho? A Nikita agora tem por volta dos oito anos e o Chiquinho tem dois anos. Não sei quando é que irás ler esta carta! Talvez eles já sejam estrelinhas no céu! De qualquer maneira relembrá-los-ás!

           Dependendo de quando estiveres a ler esta carta, anseio que o mundo seja um mundo diferente, sem miséria, sem desigualdade, sem poluição... Espero que tenhas lutado sempre, pelo que eu, uma simples menina, idealizei para mim e para o meu futuro, e peço que permaneças a lutar, porque a vida é uma luta constate, há que saber lutar e tirar o maior proveito disso. Torço para que nunca desistas da música, para que não duvides de ti, nem deixes que os outros te façam duvidar. Espero que arranjes alguém que te faça muito feliz e que esteja sempre ao teu lado, no que der e vier, que tenhas muitos filhos para amares, e desejo que consigas alcançar o sonho de adotar e de conseguir ajudar aqueles que mais precisam. Confio que farás sempre o teu melhor e eu prometo também o fazer. : )

                                                                                                               Com carinho,

                  “Eu” do passado

              (Matilde Almeida)

 

11                                                                                    Lagoa-Atalhada, 13 de abril de 2020

            Caro eu do futuro,

            Antes de mais, espero que estejas bem e que tenhas conseguido o que planeaste há muito tempo, como por exemplo: ter o teu emprego e cargo de sonho e um estilo de vida completamente saudável e produtivo como também cheio de aventuras.

            Primeiramente, espero que pelo menos um ou mais alguns dos problemas mundiais estejam resolvidos e que sejam histórias de um passado distante como a fome, a guerra e a pobreza global.

            Atualmente, a civilização humana atravessa uma série de eventos que colocam em risco todo o progresso, esperanças e sonhos que todos nós carregamos, sendo estes: a exploração espacial e estudo de possíveis planetas propícios para habitar, a evolução tecnológica (inteligência artificial) em diferentes áreas como na medicina e educação.

            Espero que continues a lutar e a sonhar!

 

                                                                                            Abraços,

                                                                                         Rafael Pacheco

 

12                                                                                                    Lagoa, 12 de abril de 2020

            Caro Futuro,

            Estou-lhe escrevendo, porque ando a pensar em toda a situação que estamos a viver nos dias de hoje, desde o surgimento de um novo vírus, até à dependência do ser humano nas tecnologias.

            Caso não esteja a par de tudo o que se está a passar nesta época, o que aconteceu é que surgiu um novo vírus mais conhecido por coronavírus, que, infelizmente, já matou diversas pessoas, levando assim a que muita da população tenha entrado em pânico, por vezes exageradamente. Por outro lado, o aparecimento deste vírus teve consequências positivas a nível ambiental, pois fez com que os níveis de dióxido de carbono baixassem muito, diminuindo assim a poluição existente na Terra.

            Acerca do outro assunto, da dependência do humano nas tecnologias, creio que a tecnologia tem muitos pontos positivos, sendo um dos mais relevantes o facto de nos permitir descobrir coisas que não seriam possíveis se não existisse. Porém, esta leva a que muitas pessoas percam o seu trabalho, pois são substituídas por robôs, e também a que muitos cidadãos, maioritariamente jovens, sejam dependentes da mesma.

            Espero que o Futuro nos reserve uma vida bastante mais promissora.

                                                                                  Com os melhores cumprimentos,

                                                                                     Raul Soares

 

13                                                                                                        Lagoa, 13 de abril de 2020

            Olá, futuro!

            Escrevo-te esta carta para saberes o que está a acontecer nestes últimos meses.

            Ultimamente temos de estar todos em casa, devido a um enorme problema, trata-se de uma pandemia contagiosa que está a matar muitas pessoas, o que é muito triste. Parece que as pessoas ficaram “loucas” com isto, pois fizeram muitas mais compras do que o habitual, o que considero ser uma estupidez. Mas, há coisas positivas, como a poluição na China e na Índia que reduziu; em Itália, por exemplo, podemos ver a água mais limpa, etc.

            Daqui a alguns dias já começo a ter aulas online, o que me deixa um pouco apreensiva, pois não sei como vai ser, mas espero que corra tudo bem. Enquanto isso, vou fazendo trabalhos propostos pelos professores e estudando as matérias. Nesta quarentena, estou a tentar ter uma rotina saudável, pois tenho feito coisas de que gosto, como por exemplo, ler um livro, tocar instrumentos, aprender duas novas línguas (alemão e coreano), escrever uma música, fazer exercício físico e mental, entre outras atividades. Tenho passado mais tempo com a família, focando-me em mim mesma, porque também é muito importante. O que é mais chato nesta quarentena, é não poder ir à escola, estar com os meus amigos e professores, mas tenho mantido o contacto tanto com os professores como com os amigos, fazemos videochamadas, falamos por mensagens e envio emails para as professoras.

            Quero muito que isto tudo passe o mais rápido possível, para poder estar com as pessoas de quem mais gosto, sair livremente, ver o mar, etc. Para que isto passe, todos nós temos de dar o nosso contributo e ajudarmo-nos uns aos outros.  Espero que as pessoas possam vir a ser mais responsáveis e conscientes do que fazem.

            Em suma, para ti, meu futuro, tenho vários planos. Vou fazer tudo o que estiver ao meu alcance para sejas bom, para que consiga alcançar os meus objetivos, dar o melhor de mim e realizar os meus sonhos. Ainda estou a crescer, por isso tenho de ter calma, e de agir de uma forma correta e consciente.

         Despeço-me, aguardando ansiosamente pela tua chegada. Um forte abraço,

                                                                    Renata Botelho

 

   14                                                                                                     Lagoa, 13 de abril de 2020

           Querido Futuro,

          o mundo inteiro está a passar um momento muito difícil e triste, devido a um vírus que chegou sem avisar e conseguiu parar as nossas vidas.
Este vírus conseguiu virar o mundo de pernas para o ar , conseguiu meter as pessoas a orar , a chorar e a valorizar as coisas que não eram importantes para elas.
            Sabes, Futuro, estamos todos isolados, fechados em casa, sem podermos socializar. As redes sociais já nos cansam, os dias são tão cansativos, tem vezes que nem sei que dia é. Sou uma adolescente e tenho ainda tantos sonhos para realizar e tanto para viver e aprender.

            Tenho medo, ansiedade e, por mais que me distraia com coisas que gosto de fazer em casa, sinto sempre uma aflição no meu coração.
            Escrevo-te esta carta para te colocar algumas questões, pois só tu me podes responder. Diz-me, Futuro, se vamos todos ficar bem?
Diz-me, Futuro, quanto tempo vai durar este vírus?

            Dizem que vamos aprender uma lição de vida quando tudo isto acabar.
Será mesmo? Ou tudo vai voltar a ser como antes?

             Dá-me as respostas para que o meu coração se acalme.
Para que eu possa adormecer e sonhar em vez de ter pesadelos.

                                                                                           Com muita expectativa,

                                                                                               Sara Tavares

 

15                                                                                                       Lagoa, 12 de abril de 2020

Meu caro Futuro,

como estás? Espero que estejas bem, porque aqui as coisas têm estado conturbadas. Decidi enviar-te uma carta e não um email ou uma mensagem para escapar das tecnologias por um pouco. Em tempos como este, elas afetam bastante a nossa saúde mental, sabias?

Deves estar a perguntar-te o porquê de as coisas estarem complicadas, não é? Bem, basta voltares atrás no tempo e lembrares-te de 2020, o momento em que a humanidade parou graças à crise pandémica que alterou as nossas rotinas e transformou as nossas vidas. É provável que te recordes, está a ser um ano inesquecível, pelos piores motivos. Talvez esta seja a única forma que o mundo encontrou para nos abrandar da correria do dia a dia. Mas falando de um ponto de vista mais pessoal, posso dizer que estou aprendendo muito com esta situação. Ao passarmos tempo sozinhos, sem influências exteriores e sem a pressão do quotidiano, conhecemo-nos melhor e aprendemos com as circunstâncias que nos rodeiam. É como nos fosse dada a oportunidade de florescer no meio de uma tempestade.

Espero que me aguardes com novas experiências e lições, para que estas me ajudem a crescer e a aprender cada vez mais, de maneira a que me torne na pessoa que aspiro tornar-me. Eu confio em ti, sei que farás o teu melhor trabalho para que isso se cumpra.

                                                                                  Vou ficando por aqui, até breve!

                                                                                                      Sofia Canto

 

16                                                                                            São Miguel, 09 de abril de 2020

          Meu querido futuro,

            Espero que ao receberes esta carta estejas melhor do que nós aqui no presente, com vida, saúde, repleto de sorrisos e abraços.

            Nós, por cá, estamos a passar por uma situação muito complicada, um vírus muito perigoso apareceu na China e agora está a espalhar-se por todo o mundo, transmite-se de pessoa para pessoa através do espirro, da tosse, do toque, e o mesmo permanece nas superfícies durante muito tempo. É um vírus que ataca o sistema respiratório e provoca febre, dores musculares, etc.

            As pessoas de risco são maioritariamente idosos, pessoas com doenças crônicas, doenças respiratórias, diabetes, hipertensas ou que tenham sofrido um acidente vascular cerebral.

            Toda população está muito reticente para com esta situação, pois como foi decretado o estado de emergência, somos obrigados a ficar em quarentena, em isolamento social, sem poder abraçar, beijar os nossos familiares e amigos. É realmente uma situação muito caótica, os adultos estão preocupados com os seus empregos, com as contas a pagar no final do mês, com a forma de encarar o dia a dia.

            As lojas estão encerradas, as escolas e as igrejas igualmente, não podemos circular de concelho para concelho, logo as compras, os medicamentos só podem ser adquiridos, quando é estritamente necessário e temos que utilizar máscara e luvas para salvaguardar a nossa saúde e a daqueles que nos rodeiam.

            Espero que possamos chegar todos até ti com vida e saúde, que encontrem rapidamente a vacina que faça esse vírus parar, pois mundialmente estão morrendo milhões de pessoas, e é um sufoco, pois os familiares não podem despedir-se, não podem fazer um funeral digno, não podem sequer ver o falecido, uma vez que o caixão se encontra selado.

            É lamentável todo este desastre que estamos a viver, mas está a ensinar-nos muitas coisas, como por exemplo, a valorizar os momentos em que podíamos ter abraçado, beijado e não o fizemos, os nossos idosos abandonados nos lares e ninguém os visitava. Agora mesmo que queiramos não o podemos fazer para o bem deles. Está a ensinar-nos que os bens materiais não são tudo na vida, pois os países mais desenvolvidos também estão a perder esta guerra, sim porque isto é uma guerra, uma guerra sem disparar uma única bala, um único canhão, e o verdadeiro vencedor até este momento, tem sido o vírus.  Desejo muito que possamos ganhar esta luta, que possamos voltar a aproximarmo-nos, a passear novamente pela cidade, pela praia, pela natureza, pelo supermercado, desejo voltar a ser livre e feliz.

            Despeço-me, com muita vontade de te encontrar.

                                                                                                 Muitos beijinhos da tua amiga,

                                                                                                                    Sofia Pacheco

 

17                                                                                                           Lagoa, 15 de abril de 2020

Querida Prof. Alexandra,

            É com um enorme prazer que lhe escrevo esta carta. Nestes últimos tempos, temos passado por algo que, particularmente, nunca pensei em passar e daí surgem grandes questões: “ Quando isto irá passar?” ou “Voltaremos a ter a nossa rotina tal como antes?”e é aí que começo a imaginar o nosso futuro!  

            Há uns tempos atrás, quando pensava no futuro, imaginava-me com a minha casa e com o meu trabalho, mas, num curto espaço de tempo, a minha opinião mudou. Claramente que ainda desejo o que imaginava, desejo uma vida “normal”, mas será como antes? Ou será diferente? As respostas a estas perguntas só o tempo as pode dar!

            E o que será que os outros pensam acerca do futuro?

Despeço-me com saudades e espero que nos possamos ver brevemente.

                                                                                                                       Ana Júlia Furtado

 

18

De: Apolo Cação Caetano

Para: Futuro

 

Querido Futuro, estou a escrever-te esta carta devido à situação pela qual eu e os meus colegas estamos a passar. Gostaria muito de pedir que esta pandemia passasse e que todos conseguíssemos voltar à nossa rotina diária, embora saiba que tudo tem um propósito. Esta quarentena fez me pensar e repensar em relação a isso e tenho a certeza que, daqui para a frente, irei valorizar muito mais os meus amigos (mesmo os mais chatinhos) , as brincadeiras, a convivência, o tempo passado a treinar e, mais que tudo, a minha família, por me aturar este tempo todo, bem como o que falta.

Tinha tantos planos para o verão, mas continuo com a esperança que, se ficarmos em casa, tudo passará rapidamente.

Neste exato momento, deveria estar a queixar-me de que não tinha tempo nenhum para estudar, mas olha agora para mim… com tempo a mais!!!!

Beijinhos meu caro Futuro!

Aguardo a tua resposta!

Ponta Delgada,19 de abril de 2020

 

19

Olá, como estás?

               Esta é a pergunta que maior parte das pessoas faz, mas é inevitável, pois todos estamos iguais. Encontramo-nos, há mais de um mês, fechados em casa, sem poder ir à rua, com receio que este grande vírus venha ter connosco e sem saber a resposta à pergunta “Quando é que isto irá acabar?”

               No último mês, as cidades têm estado vazias sem se ouvir nada como num filme de     terror. A única diferença é que isto não é um filme, é real. No início, as pessoas não respeitaram muito as regras. Acho que não acreditavam que se aproximava uma pandemia que já matou mais de 160 000 pessoas.

               Espero que no futuro, num futuro próximo, isto esteja mais calmo. Espero que encontrem uma cura para este vírus, para que possamos voltar às nossas rotinas e fazer o que gostamos. O importante é acreditar que todos aqueles que nos ajudam e estão a trabalhar para o nosso bem (médicos, enfermeiros, farmacêuticos, etc…) vão conseguir acabar com isto e, é bom ter consciência de que enquanto alguns trabalham sem parar, nós estamos seguros dentro das nossas casas.

#VAI TUDO FICAR BEM

                                                                                                                                Bernardo Manes

 

20                                                                                                           Lagoa,15 de abril de 2020

Querida Ana do futuro,

Como estás agora?

Estou a escrever-te para relembrares deste tempo de crise.

Estamos a passar pela crise do Coronavírus/ Covid-19 . Se já não te lembras, o Covid-19 propaga-se muito rapidamente, é fatal  e morreram muitas pessoas em todo o Mundo, incluindo micaelenses como nós . Esta pandemia consiste num vírus que causa problemas respiratórios semelhantes à gripe e os seus sintomas são tosse, febre e, em casos mais graves, dificuldade respiratória. Existem medidas de proteção, como lavar as mãos durante 20 minutos com água e sabão ou higienizá-las com álcool; ficar em casa (de quarentena, não de férias); evitar contacto próximo (2 metros entre as pessoas) e muito mais de que não se quer recordar, pois é uma fase triste a nível mundial.

Acabámos as aulas uma semana antes, disso até gostei porque pude dormir mais . Reduzi o tempo nas redes sociais (já estou no meu recorde pessoal), ví  filmes e séries, passei tempo com a nossa família e joguei jogos de tabuleiro! Já nem me lembro há quanto tempo não os jogava.

Agora já voltei às aulas, via virtual. Os professores mandam-me materiais através do SGE (plataforma digital escolar) ou via e-mail. A Leonor, a nossa irmã mais nova recebe os trabalhos através de um grupo no Facebook, criado pela sua professora para estabelecer contacto com os Encarregados de Educação.

Sinto saudades dos colegas, dos professores, dos auxiliares de educação, de ir cedo para a escola à boleia com o pai e ver sempre o mesmo caminho, de vir a pé para casa e emagrecer um pouco devido a estas caminhadas. Também estranho não poder passear de carro ou de caminhar pelas ruas de Ponta Delgada… Enfim, melhores dias virão!

Um beijinho do presente para o futuro,

Ana Costa, ou sejas tu

P.S: Espero que estejas a cuidar bem de mim…

 

21

Olá

Espero que já esteja tudo bem.

Eu nunca pensei passar por algo como o que estamos a passar! Às vezes temos as coisas como garantidas e não pensamos em como podem mudar de um momento para o outro. Um ser microscópico conseguiu mudar a vida de todos nós rapidamente.

Os tempos que passamos não são fáceis, mas acredito que tudo voltará a ficar bem, estamos em quarentena devido a uma pandemia causada pelo novo Coronavírus, mais precisamente COVID-19. Tudo começou no final do ano 2019, na província de Hubei, na China, quando a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan reportou casos de uma pneumonia de causa desconhecida. Todos os casos reportados estavam ligados a um mercado de Wuhan onde se vendiam alimentos e animais vivos. Tornou-se numa epidemia e mais tarde numa pandemia. Todos os continentes vêm sido afetados.

Passado alguns meses foi imposto a quarentena obrigatória, muitas pessoas agora trabalham/estudam a partir de casa. Até agora, os países mais afetados são os Estados Unidos, a Espanha e a Itália. Hoje, dia 15 de abril de 2020, Portugal já conta com 18 mil infetados confirmados, cerca de 600 mortes e quase 400 recuperados.

Apesar de todo o mal que tem acontecido, há algo bom no meio de tudo isto, a poluição tem diminuído. Isso faz-nos pensar que o verdadeiro vírus somos nós, humanos, que acabamos com a vida de vários animais e plantas.

Espero poder voltar a ter uma vida «normal», poder dizer daqui a uns anos que passei por uma pandemia, mas que no final tudo ficou bem. Manter-nos ocupados tem sido um pouco difícil.

Espero que tudo isto passe o mais depressa possível e que possamos voltar a conviver com os nossos amigos e familiares como dantes.

Quando isto acabar, será que a nossa vida será diferente? Será que num abraço ou aperto de mão deixará de ser algo normal? E quando será que este vírus irá acabar? Acho que estas perguntas são questões que todos temos e que ninguém sabe responder.

Cumprimentos,

Matilde Oliveira Silva

 

 

22                                                                                                          Lagoa, 19 de abril de 2020

Olá! Eu mesma do futuro.

 Como está a vida?

 A vida aqui está um pouco fora do normal, mas estou a tentar habituar-me. Não vou entrar em pormenores de como estão as coisas, apenas porque acho que esta época não vai ser esquecida muito facilmente, pelo menos para mim, mas, no geral, nós não podemos sair de casa e tudo se está a tornar uma confusão.

 O futuro é muito indeterminado, podes ser o meu eu de amanhã, ou até mesmo o meu eu do futuro dentro de a cinco anos. Mas eu espero que estejas numa época, em que já se possa sair de casa.

 Ultimamente, estive a pensar nas coisas que eu fazia antes e não dava muita importância, como ir as compras. Agora o nosso pai é que vai quando precisamos. Acho que, quando tudo acabar, a primeira coisa que vou fazer é acompanhar o meu pai às compras.

 Até mesmo andar de casa para a escola, e vice-versa, parece ser uma ideia incrível.

 A minha definição de «aborrecimento» mudou completamente da que eu tinha há um mês atrás. Quer dizer que antes o meu ponto alto do dia era ficar com os meus amigos e, às vezes, sair com eles. Agora o ponto alto do meu dia é fazer os trabalhos da escola e brincar com a nossa irmã mais nova. Qual é ponto alto do nosso dia aí?

 Também estive a pensar em como coisas que pareciam entediantes agora chamam muito a minha atenção, como ir ao cinema sozinha, parece tentador, apenas porque, com esta experiência, aprendi que é mais fácil divertir-me sozinha do que eu pensava.

 Quando alguns adultos passavam pelo corredor logo pela manhã, como a auxiliar ou algum professor, eles diziam para aproveitarmos o tempo uns com os outros e sair do telemóvel. Eu acho que é a primeira vez que estou arrependida por não ter seguido o conselho deles. Quer dizer agora que a internet é o nosso maior meio de entretimento nós queremos sair e estar com as pessoas, mas antes que podíamos fazer isso, preferimos ficar na internet. Talvez esta experiência nos tenha ensinado algo. Mesmo que da pior maneira.

 

 Bem acho que isto é tudo,

 Um abraço

 Mariana 

 

 23                                                                                                           Lagoa, 13 de abril de 2020

          Olá, Futuro!

 

          Escrevo-te esta carta para saber como estás. Espero que estejas bem.

          Bom, hoje em dia a situação não está nada fácil, pois estamos com um vírus muito grave pelo mundo inteiro. Este vírus chama-se coronavírus e os sintomas dele são: problemas respiratórios, semelhantes a gripe, tosse, febre,…

          Tinha um monte de planos para este ano, tais como: inscrever-me na natação, sair com amigas, ir à piscina, entre outros. Mas, com este vírus não poderei sair de casa, não podemos cumprimentar ninguém do exterior, temos que lavar muito bem as mãos, usar luvas e máscara, entre outros cuidados.

           Estou preocupada connosco, pois espero que não fiquemos doentes ou contaminadas com este vírus terrível. Espero que esta pandemia passe logo e que possamos viver normalmente de novo

          Se Deus quiser, e se tudo correr bem, após este vírus passar, serás uma ótima aluna, estudarás até ao décimo segundo ano e terás um emprego muito bom.
           Um grande beijo da tua amiga,

 

                                                                                  Ana Rita Oliveira, 7.ºF

 

                                                                                                          

 

 

AO Escolas

21 de maio – Dia Mundial da Diversidade Cultural (para o Diálogo e Desenvolvimento)
Este dia foi proclamado pela Assembleia Geral da ONU em 2002, em comemoração da aprovação em 2001 da Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural. A declaração da UNESCO estipula que a diversidade cultural é um património comum da humanidade.
 
Escola Básica e Secundária da Povoação
Aprender uma Língua com videojogos
Os videojogos são cada vez mais uma ferramenta informática com múltiplas utilidades. Vamos abordar em diversos capítulos algumas utilidades para além do carácter lúdico. Vamos começar pela forma como eles podem ajudar na aprendizagem de uma língua estrangeira.
 
Escola Secundária da Lagoa
Primavera
O equinócio da primavera indica a mudança de energia da natureza e dentro de nós mesmos. Durante este segundo período ansiamos pelas férias da Páscoa, estamos cansados da escola, da rotina, da cadeira dura, das aulas quase sempre iguais, de tudo e de todos, de todos e de ninguém, com este e com aquele, por isto e por aquilo.
 
Escola Secundária da Lagoa

Notícias AO

Santa Clara dispensa Schettine de “treinos, jogos e outras atividades”
O jogador Guilherme Schettine foi dispensado de participar em treinos e jogos do Santa Clara da I Liga de futebol até ao final do mês, altura em que termina o contrato do avançado brasileiro.
 
Câmara avança com construção do Centro Sócio-Pastoral dos Remédios
A Câmara Municipal de Ponta Delgada vai avançar com a construção do Centro Sócio-Pastoral da freguesia dos Remédios.
 
"Medidas de apoio social devem ser em função dos rendimentos perdidos e não indiscriminadamente"
No âmbito da discussão de medidas regionais de apoio social extraordinário, o presidente do Grupo Parlamentar do PS/Açores, Francisco César destacou as iniciativas que já estão em curso, as propostas da oposição que já foram aprovadas e apelou a uma maior responsabilidade por parte de alguns Partidos: “Não é aceitável que alguns partidos venham anunciar intenções com que todos concordamos, mas que na prática tragam a esta Assembleia propostas mal feitas e que não são concretizáveis”, disse citado em comunicado.
 
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.