Políticos e personalidades lamentam morte do candidado à Presidência Eduardo Campos


 

Lusa/AO online   Internacional   13 de Ago de 2014, 19:13

Vários políticos e personalidades brasileiras já lamentaram a morte de eduardo Campos, candidato à Presidência do Brasil, na queda de um avião particular em Santos, no litoral do estado de São Paulo.

 

O presidente do Partido Socialista Brasileiro (PSB), de 49 anos, estava a participar numa atividade de campanha eleitoral.

“De qualquer forma, seja qual for o resultado, é uma tragédia humana e um grave problema para o processo político brasileiro. Todo mundo sabe que o Eduardo Campos é uma pessoa com muita representatividade e uma postura republicana muito respeitável. Então tem duas dimensões, seja qual for o resultado, é uma tragédia humana e uma tragédia política. Minha agenda está cancelada e retorno a Porto Alegre”, disse Tarso Genro, governador do Rio Grande do Sul (Partido dos Trabalhadores/PT), citado pelo portal de notícias G1.

"Confirmação da morte de Eduardo Campos é uma tragédia terrível! Minha solidariedade a família e amigos. Esta eleição se transformou em luto”, disse na rede social Twitter Luciana Genro, candidata a Presidência pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL).

César Maia, ex-prefeito do Rio de Janeiro e candidato ao Senado nas eleições gerais de outubro pelo partido Democratas (DEM), escreveu na rede social Twitter: "Triste e inacreditável. Candidato Eduardo Campos estava em avião que caiu em Santos".

"Infelizmente, acabei de ser avisado. Foi uma tragédia. O ex-governador Eduardo Campos foi meu colega durante o governo do Presidente Lula. Conheci muito a família, a esposa, os filhos. Decidi suspender qualquer outra agenda para que a gente possa ter mais informações e dar conforto à família e aos amigos", declarou Alexandre Padilha, candidato a governador de São Paulo pelo PT, citado pelo G1.

Aloysio Nunes, senador do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) disse no Twitter que estava “profundamente chocado com a morte do Eduardo Campos”.

Marta Suplicy, antiga senadora do PT, disse no Twitter que estava “muito triste com o falecimento de Eduardo Campos! Meu profundo sentimento à Renata e filhos".

"No aeroporto de Natal, ao lado de Aécio (Neves – candidato a Presidência pelo PSDB), estamos surpresos com a notícia da morte de Eduardo Campos. Agenda no Rio Grande do Norte e Paraíba cancelada", afirmou o senador José Agripino, do DEM, citado pelo G1.

O humorista e apresentador Rafael Cortez disse, no Twitter, que estava “muito triste" com a morte do Eduardo Campos.

"Ainda mais nessas circunstâncias. Força aos que o amavam e ficam. Nosso respeito nessa hora”, acrescentou.

A aeronave em que estava o candidato particular partiu do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e tinha como destino o aeroporto do Guarujá, também no litoral de São Paulo, onde o candidato, terceiro nas sondagens, tinha compromissos de campanha.

O avião desistiu de poisar na pista devido ao mau tempo e, em seguida, perdeu o contacto com o centro de controlo de tráfego aéreo, por volta das 10:00 locais (14:00 em Lisboa), informou o comando da Aeronáutica, citado pela TV Globo.

Havia sete pessoas no avião, um Cessna 560XL, e não há sobreviventes, de acordo com fontes do Partido Socialista Brasileiro (PSB). O avião atingiu três casas na queda, e provocou pelo menos dez feridos, segundo a imprensa brasileira.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.