Peregrino caminha entre Roma e Fátima, onde quer chegar dentro de cinco meses

Peregrino caminha entre Roma e Fátima, onde quer chegar dentro de cinco meses

 

AO/Lusa   Nacional   12 de Mar de 2017, 13:41

Uma aventura que é, ao mesmo tempo, um ato de fé, está a ser vivida por José Lima, que saiu na segunda-feira a pé de Roma e, dentro de cinco meses, espera chegar ao Santuário de Fátima.

 

“Gosto de caminhar e tenho fé na Nossa Senhora de Fátima. Ligar dois grandes lugares da Igreja Católica era um projeto que eu gostava de concretizar e, como a idade está a avançar, decidi fazê-lo agora”, disse à agência Lusa o peregrino de 60 anos.

Durante dois anos, José Lima traçou o seu plano para a caminhada de 3.339 quilómetros, que espera fazer em 140 etapas.

A primeira etapa começou às 08:30 de segunda-feira, em Roma, e terminou em Formello. Na sexta-feira à tarde, tinha já cumprido a quinta etapa, encontrando-se em Montefiascone, depois de um total de 139 quilómetros percorridos.

“Não vim ao acaso. Quando entro numa cidade sei onde tenho de ir procurar dormida sem ter que andar a perguntar às pessoas”, contou o peregrino, que recorre à ajuda de um GPS para não sair dos trilhos.

Apesar dos pés doridos, José Lima considera estar “fisicamente bem preparado”. No seu “currículo” tem vários anos de peregrinações a Santiago de Compostela (Espanha) e a Fátima e muitas caminhadas em montanha, estimando que faça 1.500 quilómetros a pé por ano.

Até chegar a Portugal, o peregrino vai passar por Itália, França e Espanha, usando caminhos “santos“ – como aquele onde se encontra - vias romanas, caminhos agrícolas e florestais, grandes rotas homologadas, Caminhos de Santiago e, por último, o Caminho do Norte, rumo a Fátima.

“Em cada etapa eu tenho uma referência para dormida. Nos caminhos ‘santos’, como aquele onde vou, existem apoios ligados à Igreja Católica nas dormidas e nas refeições, a preços simbólicos”, referiu, sublinhando a importância da alimentação, porque é diabético e tem de ter a glicemia controlada.

Noutras etapas, José Lima terá que ficar em residenciais e hotéis e, em França, andará 30 dias a dormir em parques de campismo.

“Vou aproveitar a existência dos parques de campismo para que economicamente não seja tão doloroso”, contou, estimando que, durante os cinco meses de peregrinação, não gaste mais de oito mil euros.

A determinada altura chegará ao Caminho Francês (que o levará a Santiago de Compostela), no qual existem “muitos albergues e muitos sítios para descansar”.

A mochila que carrega às costas pesa cerca de oito quilos, sem mantimentos: “Se lá meter água, maçãs e mais qualquer coisa para comer no caminho pesará uns onze quilos.”

Para a tornar mais leve, José Lima vai procurar uma estação de correios para despachar alguns artigos que transporta consigo, como um poncho para proteger da chuva e uma Bíblia que lhe foi dada em Roma por um padre.

“Se chover, levo com a chuva em cima, mas os 400 gramas do poncho saem-me das costas. Vou também prescindir da Bíblia que carinhosamente trago, que deve pesar meio quilo, porque tê-la comigo pode significar não finalizar o caminho”, afirmou.

Consigo, o peregrino leva a “mágica”, uma camisola da Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla, projeto que abraçou em 2012 e para o qual, nas suas caminhadas, apela a que sejam feitos donativos.

“A essência que quis dar a este caminho é poder ajudar a Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla. Mais para a frente, quando o caminho já estiver mais consolidado, vou pedir donativos simbólicos aos meus amigos”, acrescentou, frisando que quer também transmitir força e fé aos doentes.

A aventura José Lima pode ser acompanhada através da rede social Facebook, no grupo “De Roma ao Santuário de Fátima – Caminhando”, no qual o peregrino vai colocando um resumo de cada dia e fotografias dos locais por onde passou (https://www.facebook.com/groups/1136928836334957/?fref=ts).

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.