Oposição açoriana preocupada com futuro da SATA


 

Lusa/AO Online   Regional   10 de Jan de 2015, 12:03

PSD, CDS e PCP manifestaram hoje preocupação em relação ao futuro da companhia aérea SATA e consideraram que o plano estratégico da empresa até 2020 é pouco ambicioso e mais parecido a um "plano de socorro".

A SATA e o Governo dos Açores, seu único acionista, apresentaram hoje aos deputados do parlamento regional o plano estratégico da SATA até 2020.

Três partidos da oposição apontaram, em declarações aos jornalistas, críticas ao documento e às opções da empresa.

O deputado Jorge Macedo disse que o PSD está "extremamente preocupado com o que está no plano", que aponta para uma situação financeira difícil na SATA.

O social-democrata considera que a companhia não está preparada para enfrentar o desafio imediato da liberalização do transporte aéreo nos Açores e da concorrência das ‘low cost’, já a partir de abril.

"Quase que podemos afirmar que este não é um plano estratégico, é um plano de socorro", afirmou, apontando para a situação "quase dramática" em que está a empresa.

O deputado considerou ainda que o documento apresenta estimativas e projeções baseadas em "pressupostos" que não foram divulgados, inviabilizando uma boa análise das suas conclusões.

Também Artur Lima, do CDS-PP, considerou que o documento faz um diagnóstico preocupante da situação da SATA e é "a prova" de que a empresa "tem de mudar de rumo e servir os açorianos", depois de ter andado a "concorrer em rotas" que davam prejuízos e a levaram a uma "dívida colossal e quase insuportável".

"Não vimos aqui nenhum rasgo de ambição, nenhum rasgo de inovação. Vimos foi cortes e pôr preto no branco que quase tudo o que se fez até agora foi errado, foram opções erradas, megalomanias europeias, megalomanias sul-americanas", afirmou, dizendo que, porém, a SATA "continua a insistir em não servir os açorianos".

"Continuamos sem saber como vai ser o regime de acessibilidades internas, em que condições de equidade e igualdade os açorianos vão ter de acesso ao exterior e para que existe a SATA, a não ser que é um instrumento político ao serviço de um Governo [Regional] que a usa para os seus mais escondidos objetivos", acrescentou.

Quanto ao deputado do PCP, Aníbal Pires, disse que o documento traduz a "visão pouco ambiciosa" para a transportadora aérea regional que tem o Governo dos Açores, que pretende reduzi-la "ao mínimo possível".

Por outro lado, disse haver "muitas interrogações e muitas questões não respondidas" que deviam estar já esclarecidas, uma vez que liberalização do transporte aéreo nos Açores entra em vigor em abril.

Aníbal Pires manifestou também preocupação com a intenção da SATA de renegociar o acordo de empresa, alertando que a transportadora emprega "muitos trabalhadores, direta e indiretamente".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.