Jorge Rita afirma que medidas para o leite podem ser insuficientes

Jorge Rita afirma que medidas para o leite podem ser insuficientes

 

Lusa/AO online   Regional   28 de Ago de 2015, 18:57

O presidente da Federação Agrícola dos Açores, Jorge Rita, disse que as medidas que vários países vão propor a Bruxelas para responder à queda do preço do leite têm boas intenções mas podem não ser suficientes.

 

Jorge Rita disse à Lusa que "neste momento", os produtores chegaram a um ponto em que "tudo o que vier é sempre bom", mas o "pacote de intenções" de alguns países, entre eles, Portugal, "poderá não ser suficiente" para responder a uma situação que é já caótica.

O preço do leite, após o fim das quotas de produção, em abril passado, já atingiu um "limite muito baixo", acrescentou, sublinhando que são necessárias medidas que tenham impacto imediato no aumento do rendimento dos produtores.

Os ministros da Agricultura de Portugal, Espanha, Itália e França têm "uma intenção positiva", mas é preciso "aguardar para ver", sublinhou, dizendo ter "algumas reservas" em relação ao resultado desta iniciativas e lembrando que, "pelo menos até agora", a Comissão Europeia sempre se mostrou "avessa" a adotar "medidas adicionais" para o setor do leite.

Jorge Rita disse ainda que a "intervenção nos mercados é fundamental", mas também é fundamental que as indústrias "valorizem os produtos", para que o preço pago aos produtores aumente "rapidamente".

Para o presidente da Federação Agrícola dos Açores, região que produz 30% do leite nacional, se forem tomadas medidas que vão além da "pura cosmética", ainda "se vai a tempo de melhorar a situação".

Portugal, Espanha, Itália e França vão pedir à Comissão Europeia que altere os valores a partir dos quais os Estados podem comprar e armazenar leite, para retirar produto do mercado e assim fazer subir os preços.

"Estes quatro países acordaram em pedir a Bruxelas no dia 07 de setembro - e também falar com outros países para criar uma maioria qualificada - de pedir um aumento dos preços de referência, que permitem retirar produto do mercado quando o produto está em excesso - e que está a pressionar o preço para baixo - e com isso ajudar a regular o preço do próprio produto", disse à agência Lusa a ministra da Agricultura de Portugal, Assunção Cristas, que falava à margem de uma reunião de trabalho que manteve hoje em Madrid com os seus homólogos de Espanha, Itália e França.

Para que no Conselho de Ministros extraordinário de ministros da Agricultura (a 07 de setembro) as medidas propostas por Portugal, Espanha, França e Itália possam ter andamento, estes quatro ministros vão tentar juntar outros Governos ao pacote de medidas.

Desse pacote consta também um pedido para um armazenamento privado de queijo e um aumento das verbas da PAC - Política Agrícola Comum destinadas aos produtores e ganadeiros.

Os quatro países também vão solicitar "a melhoria da promoção dos produtos lácteos" no espaço europeu e a criação de um grupo de Alto Nível para analisar em profundidade o setor lácteo no atual cenário pós-quotas leiteiras.

Do lado do financiamento, vão fazer um pedido para que o Banco Europeu de Investimento abra linhas para apoiar os projetos de exportação e modernização dos produtores europeus.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.