Governo Regional considera indesejável abandono dos Açores pela EasyJet

Governo Regional considera indesejável abandono dos Açores pela EasyJet

 

Lusa/AO Online   Regional   23 de Mar de 2017, 12:14

O secretário regional dos Transportes e Obras Públicas considerou hoje que o abandono da rota Lisboa-Ponta Delgada por parte da companhia aérea easyJet não é desejável, mas salvaguardou que se está a operar num mercado aberto.

“Isso é uma situação que, não sendo desejável, decorre da competitividade de cada uma das empresas”, declarou Vítor Fraga, aos jornalistas, à margem da cerimónia de cedência de equipamentos informáticos à Polícia de Segurança Pública (PSP).

O diretor da easyJet em Portugal, José Lopes, afirmou hoje que a companhia aérea de baixo custo vai deixar de operar a rota Lisboa-Ponta Delgada no final de outubro, dois anos após ter iniciado a operação nos Açores.

"Vamos deixar cair a rota de Lisboa - Ponta Delgada", anunciou hoje José Lopes, durante uma conferência de imprensa para anunciar o horário de inverno da easyJet para 2017/2018.

O diretor da companhia britânica em Portugal explicou que a easyJet não conseguiu entrar naquele mercado "com a oferta mínima de qualidade".

O governante, que falava em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, afirmou que se está perante uma “situação de mercado aberto”, havendo vários ‘players’ a operar para a região, tendo-se vindo a verificar que se está perante rotas “fortemente competitivas”.

“De 2014 para 2016, no que respeita a esta rota e ao aeroporto de Ponta Delgada houve uma duplicação do número de passageiros desembarcados”, disse Vítor Fraga, que recordou que, há uma semana, uma outra companhia aérea (Ryanair) anunciou o alargamento da sua operação para o inverno de 2017.

O responsável pela pasta dos Transportes afirmou que a preocupação do Governo dos Açores é “garantir que continue a existir uma oferta em termos de quantidade e competitividade” em relação aos preços para os açorianos no que toca à acessibilidade.

A operadora de baixo custo easyJet foi a primeira operadora a surgir no mercado quando em março de 2014 se procedeu à liberalização das rotas para Ponta Delgada e Terceira, vindo a competir no mercado açoriano com a Ryanair.

As receitas da easyJet aumentaram 7,2% para 997 milhões de libras (1,15 mil milhões de euros) no trimestre terminado a 31 de dezembro passado, refletindo a subida nos passageiros transportados, anunciou a companhia.

Para além das duas operadoras de baixo custo, atualmente asseguram ligações aéreas para os Açores a operadora regional SATA e a nacional TAP.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.