Governo dos Açores sem agenda pública nos dias de luto nacional

Governo dos Açores sem agenda pública nos dias de luto nacional

 

AO/Lusa   Regional   8 de Jan de 2017, 12:32

O Governo dos Açores, presidido por Vasco Cordeiro, não vai ter agenda pública nos três dias de luto nacional decretados pelo Executivo nacional na sequência da morte do ex-Presidente da República Mário Soares, foi ontem anunciado.

 

Fonte da presidência do Governo dos Açores disse à agência Lusa que, "entre segunda e quarta-feira, o executivo regional não vai ter agenda pública".

No sábado, numa reação à morte de Mário Soares, Vasco Cordeiro considerou o antigo chefe de Estado como "um gigante do século XX português" e destacou o seu papel nas autonomias regionais.

"A importância da figura do doutor Mário Soares torna este um momento de uma perda incalculável para o nosso país, pelos valores que defendeu, antes e depois da democracia no nosso país", afirmou Vasco Cordeiro, no Palácio de Santana, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, considerando Mário Soares um "gigante do século XX português".

O presidente do executivo regional, também líder do PS/Açores, apontou ainda o papel do antigo Presidente da República nas autonomias regionais.

"O facto é que é sob a liderança do doutor Mário Soares que o Partido Socialista, maioritário na Assembleia Constituinte, aprova também na Constituição este modelo de descentralização política que são as autonomias regionais e essa importância é algo que também diz muito, quer aos açorianos, quer aos madeirenses", acrescentou Vasco Cordeiro, anunciando que uma delegação do executivo regional e outra do PS/Açores estarão presentes no funeral do antigo Presidente da República.

Mário Soares morreu no sábado no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, onde estava internado há 26 dias, desde 13 de dezembro.

O Governo decretou três dias de luto nacional, a partir de segunda-feira.

O corpo do antigo Presidente da República vai estar em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos a partir das 13:00 de segunda-feira, e o funeral realiza-se a partir das 15:30 de terça-feira, no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa.

Nascido a 07 de dezembro de 1924, em Lisboa, Mário Alberto Nobre Lopes Soares, advogado, combateu a ditadura do Estado Novo e foi fundador e primeiro líder do PS.

Após a revolução do 25 de Abril de 1974, regressou do exílio em França e foi ministro dos Negócios Estrangeiros e primeiro-ministro entre 1976 e 1978 e entre 1983 e 1985, tendo pedido a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), em 1977, e assinado o respetivo tratado, em 1985.

Em 1986, ganhou as eleições presidenciais e foi Presidente da República durante dois mandatos, até 1996.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.