Governo dos Açores admite estarem criadas condições para evitar despedimentos

Governo dos Açores admite estarem criadas condições para evitar despedimentos

 

Lusa/AO Online   Regional   11 de Dez de 2015, 05:00

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, disse hoje acreditar estarem criadas condições para evitar despedimentos na base das Lajes, onde está em curso a redução da presença norte-americana.

 

“Julgo estarem criadas as condições para que, continuando o processo como tem vindo até aqui, possamos chegar a uma situação em que não há necessidade de despedimentos”, afirmou Vasco Cordeiro referindo-se aos trabalhadores portugueses na base e ressalvando que este processo ainda está a ser trabalhado.

Vasco Cordeiro falava após ter recebido em audiência, em Angra do Heroísmo, na Terceira, ilha onde se localiza a base das Lajes, o diretor-geral do Departamento de Estado dos Estados Unidos para os Assuntos Europeus e da Euroásia, Conrad Tribble, e o embaixador dos Estados Unidos da América em Lisboa, Robert Sherman, que vão participar na sexta-feira na reunião da comissão bilateral permanente Portugal-Estados Unidos da América (EUA).

O chefe do executivo açoriano referiu ainda o “longo caminho” já feito noutras matérias, como as infraestruturas, a atenção permanente às questões ambientais e a “cooperação concreta” com a região.

Vasco Cordeiro adiantou que um dos assuntos que está presente no relacionamento Portugal-EUA se prende com os possíveis usos futuros da base das Lajes, mas salientou que essa matéria não está no âmbito desta comissão bilateral.

“Está a ser tratado ao nível do Departamento da Defesa, do Congresso [norte-americanos]”, declarou, convicto de que a reunião de sexta-feira “tratará de continuar a consolidar este caminho construtivo, que começou por produzir resultados desde logo para os trabalhadores portugueses na base das Lajes”, embora ainda não concluído.

O governante realçou ainda que não deixa de ser significativo o facto de a reunião da comissão bilateral permanente ter lugar no arquipélago, considerando que demonstra “o papel verdadeiramente central que os Açores assumem nesta relação entre Portugal e os Estados Unidos nessa relação de já longo tempo, mas que, sobretudo no âmbito do Acordo de Cooperação e Defesa, tem, no caso concreto na base das Lajes, um dos seus principais pilares”.

Para o responsável, a reunião da comissão bilateral vai continuar a “consolidar o caminho construtivo”, procurando “pontos de equilíbrio” e “pontos de encontro que satisfaçam os interesses de ambas as partes.

“Estou confiante que, da mesma forma como conseguimos percorrer o caminho até aqui, sejamos também capazes de abordar os assuntos que estão pendentes”, acrescentou.

Portugal e os Estados Unidos reúnem-se na sexta-feira, a partir das 09:00 locais, na comissão bilateral permanente, num encontro em que serão discutidos, entre outros temas, os Açores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.