EUA adiam para 2018 recrutamento de pessoas transgénero para as Forças Armadas

EUA adiam para 2018 recrutamento de pessoas transgénero para as Forças Armadas

 

AO/Lusa   Internacional   1 de Jul de 2017, 13:03

O Pentágono anunciou, esta sexta-feira, um adiamento de seis meses, até janeiro do próximo ano, do recrutamento de pessoas transgénero para servirem nas Forças Armadas dos Estados Unidos.

 

O secretário da Defesa norte-americano, James Mattis, aprovou uma “recomendação” para “adiar o acesso dos candidatos transgénero às Forças Armadas até 01 de janeiro de 2018”, informou, em comunicado, a porta-voz do Pentágono Dana White.

Durante esse período, vão ser revistos os planos de adesão por parte de pessoas transgénero e avaliados os “impactos” da sua integração nas Forças Armadas.

Segundo estimativas do Departamento da Defesa, atualmente já prestam serviço militar entre 2.500 e 7.000 pessoas transgénero entre os 1,3 milhões de militares norte-americanos no ativo, os quais declaram a sua orientação já depois de terem sido integrados.

Até ao ano passado, arriscavam ser expulsos se revelassem a sua orientação sexual.

A decisão de James Mattis foi conhecida apenas horas depois da data limite – de 01 de julho de 2017 – fixada pela administração do anterior Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para começar a recrutar pessoas transgénero para as Forças Armadas.

O Pentágono anunciou, em junho do ano passado, que os transexuais iam deixam de ser impedidos de servir abertamente no exército dos Estados Unidos.

A abolição da proibição é “a coisa certa a fazer, e é mais um passo para se garantir que se continua a recrutar e se mantêm pessoas qualificadas”, afirmou o então secretário da Defesa, Ashton Carter.

Ao abrigo da nova política, a aplicar de forma faseada e que devia entrar hoje em vigor, o exército não pode então demitir ou impedir indivíduos transexuais de se alistarem devido a cirurgias de mudança de sexo ou à sua identidade de género.

O primeiro passo para o fim da discriminação por orientação sexual nas Forças Armadas foi dado em setembro de 2011, quando o Congresso, na sequência de uma decisão judicial, cancelou a política ‘Don’t ask, don’t tell’ (‘Não perguntar, não dizer’), implementada durante a administração do democrata Bill Clinton (1993-2001), que proibia soldados homossexuais de falar abertamente da sua orientação sexual.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.