Entre "50 a 60 mil" pessoas no Porto contra "política desastrosa" do Governo


 

Lusa / AO online   Nacional   1 de Out de 2011, 17:43

O membro da comissão executiva da CGTP-IN João Torres estimou hoje que a manifestação do Porto concentrou “entre 50 a 60 mil pessoas”, que mostraram assim estar contra a “política desastrosa que o Governo está a impor”.

Contactada pela Lusa no local, fonte da PSP do Porto afirmou que a manifestação terá contado com a presença de cerca de 25 mil pessoas de várias zonas da região Norte.

Em declarações à Lusa, João Torres, que é também coordenador da União dos Sindicatos do Porto, classificou como “inaceitável o que o Governo está a fazer ao país”, afirmando que esta manifestação, a par com a de Lisboa, “insere-se na necessidade de dar resposta a esta política de desastre nacional”.

Para João Torres, a luta tem que continuar para que seja possível “travar esta política, este rumo de suicídio nacional para onde nos estão a empurrar”.

Afirmando que a manifestação “é um sinal inequívoco de que não há resignação”, Torres adiantou que “não estão postas de parte nenhumas formas de luta” e que esta será, inclusive, “agudizada”, admitindo a convocação de uma greve geral para breve.

No seu discurso na avenida dos Aliados, João Torres, disse que “este Governo não tem legitimidade nenhuma para impunemente continuar a assaltar os bolsos dos que pouco ou nada têm para depois encher, com o resultado desses roubos, os cofres dos ricos, poderosos e parasitas”.

Os trabalhadores, acrescentou, “não votaram para que lhes roubassem serviços públicos essenciais, como o direito à saúde, à educação, à habitação e o direito à felicidade”.

Fazendo um “balanço trágico” dos 100 dias do Governo, Torres disse que este Governo, “atrelado ao memorando que com o PS assinou com a 'troika', consubstancia uma violentíssima agressão aos interesses do povo e do país”.

Adriano Oliveira, que participou nesta manifestação mostrando um cartaz com a cara do ex-primeiro-ministro e onde se lia “Volta, estás perdoado”, disse à Lusa que, “de todos os ladrões que passaram em Portugal”, Sócrates “foi o que roubou menos”, mostrando-se inconformado com o corte que sofrerá no subsídio de Natal recebendo uma pensão de 585 euros.

Joaquim Silva deslocou-se da Maia ao Porto para defender os CTT, empresa que, disse, está a ser “gerida de forma danosa”, já que “a atual administração nomeou 280 chefias quanto tudo está congelado” e quando “são retirados direitos aos trabalhadores”.

Já José Carlos Carvalho foi aos Aliados por estar contra “as políticas do dia a dia”, designadamente “os aumentos exorbitantes que o Governo está a aplicar e vai aplicar ainda mais”.

A CGTP convocou esta manifestação “contra o empobrecimento e as injustiças”, porque considera que as medidas de austeridade que têm sido impostas aos portugueses levam à recessão económica e, consequentemente, ao aumento do desemprego e da precariedade.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.