União Europeia

Berlusconi diz que a saída de um ou vários países da zona euro seria um desastre

Berlusconi diz que a saída de um ou vários países da zona euro seria um desastre

 

Lusa/AO online   Internacional   11 de Ago de 2012, 15:33

O ex-primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, afirmou hoje que seria "um desastre" se um ou vários países abandonassem a moeda única, provocando a desintegração da zona euro.

Silvio Berlusconi, numa entrevista publicada hoje no diário francês "Libération", adiantou que ainda não decidiu se irá concorrer às eleições legislativas de 2013, e negou que tenha dito que não teria importância se alguns países saíssem do euro. "Nunca utilizei essa expressão. Pelo contrário, sempre afirmei que a saída da moeda única de um ou vários países provocaria a desintegração da zona euro", sublinhou. Reconheceu que o tema do possível abandono da moeda única foi utilizado por alguns membros do seu partido, o Povo da Liberdade (PdL), mas apenas por questões "táticas para mudar a posição da Alemanha". Silvio Berlusconi afirmou que, "perante a intransigência sobre a disciplina orçamental e o rigor, que são importantes, são também insuficientes caso não se tomem medidas para o crescimento", acrescentando que estas políticas podem colocar "inevitavelmente um problema de saída do euro, ao menos para salvar a força produtiva de Itália". O antigo chefe do Governo italiano lamentou que a "união política" que deveria ter sido necessária não tenha acontecido e criticou a oposição da Alemanha e da França a algumas das suas propostas, como a criação de uma força militar comum ou a nomeação do ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair como presidente do Conselho Europeu. "Sempre sonhei com os 'Estados Unidos de Europa' e estou pessoalmente a favor de uma eleição direta de um presidente da União Europeia e do reforço dos poderes do Parlamento Europeu", adiantou. Questionado se houve uma ação concertada do eixo Paris-Berlim para o afastar do poder, respondeu que não sabia, acrescentando que não acreditava que tal tivesse ocorrido. Berlusconi não foi claro sobre as suas intenções de voltar à política ativa, mas assinalou que o seu partido, "começando pelos deputados", lhe pede que volte para "relançar a popularidade do partido na campanha eleitoral". "Ainda não decidi, mas uma coia é certa: estive sempre ao serviço do meu país", adiantou. A sua saída do cargo de primeiro-ministro foi interpretada por Silvio Berlusconi como um sacrifício pelo bem do país: "Deu um passo atrás devido ao meu sentido de responsabilidade. Fui o único primeiro-ministro da história que se demitiu com uma maioria no parlamento e sem ter sofrido uma moção de censura".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.