Alvo do EI é "modo de vida ocidental"


 

Lusa/AO online   Internacional   7 de Mar de 2016, 17:45

O chefe da unidade de combate ao terrorismo da polícia britânica alertou hoje para o risco de mais atentados "espetaculares" do grupo extremista Estado Islâmico (EI), que está a treinar-se para atingir o "modo de vida ocidental".

 

O Comissário da Polícia Metropolitana de Londres, Mark Rowley, disse hoje que a polícia britânica realizou no ano passado um número recorde de detenções no âmbito da luta antiterrorista.

Mas advertiu que o grupo ‘jihadista’ islâmico alargou o âmbito dos seus ataques, passando de alvos militares e policiais para alvos civis, e apontou como exemplo os atentados de 13 de novembro, em Paris, em que homens armados abriram fogo em bares, uma sala de espetáculos e um estádio, matando 130 pessoas.

“Nos últimos meses, temos assistido a uma expansão dos alvos, com muito mais planos para atacar o modo de vida ocidental, o que já aconteceu, obviamente, nos atentados de Paris, em novembro”, disse Rowley à imprensa.

“Confrontamo-nos com um grupo terrorista com grandes ambições para cometer ataques enormes e espetaculares, e não apenas aqueles que conseguimos impedir até agora”, acrescentou.

A polícia revelou antes ter frustrado sete conspirações para cometer atentados entre finais de 2014 e inícios de 2016.

Em todo o Reino Unido, a polícia fez o número recorde de 339 detenções relacionadas com a prevenção do terrorismo em 2015, cerca de metade das quais resultaram em acusações concretas.

As detenções nos últimos três anos foram 57% mais elevadas que nos anteriores três anos.

Cerca de 77% das detenções efetuadas no ano passado foram de cidadãos britânicos, 14% mulheres e 13% de jovens com 20 anos e menos de 20 anos – uma nova tendência que reflete a forma como os ‘jihadistas’ do EI cativam grupos vulneráveis através das redes sociais.

O Reino Unido só sofreu um incidente fatal de terrorismo internacional desde 07 de julho de 2005, data dos atentados no sistema de transportes públicos londrino, que fizeram 52 mortos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.