Utentes com consultas canceladas nos Açores devido à greve dos médicos

Utentes com consultas canceladas nos Açores devido à greve dos médicos

 

Lusa/AO Online   Regional   25 de Out de 2017, 11:24

A paralisação dos médicos causou esta manhã o cancelamento de consultas no hospital e centro de saúde de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, Açores, sem comprometer a rotina, com alguns utentes a manifestarem o seu descontentamento.


Os médicos dos Açores, Madeira e da região Sul estão em greve desde as 00:00 de hoje, uma paralisação regional que já decorreu no Norte e que antecede um dia de greve nacional, prevista para 8 de novembro.

Paula Resendes, de 62 anos, do concelho da Lagoa, viu a sua consulta adiada por falta de médico, mas reconhece o direito à greve por parte destes profissionais, apesar do transtorno que foi levantar-se mais cedo numa manhã de chuva intensa e trovoada em Ponta Delgada.

Mas se para Paula Resendes “este é um direito que lhes assiste”, para Carlos Cordeiro, de 49 anos, da freguesia do Pico da Pedra, que também viu a sua consulta cancelada, o transtorno só não foi maior porque a localidade de trabalho é mesmo em Ponta Delgada.

“Mas existem muitas pessoas que vieram de muito longe, com mau tempo, e que não conseguiram consulta”, disse.

Beatriz Pacheco, de 23 anos, natural da Ribeira Grande, desconhecia que havia uma greve em curso, mas esperava pacientemente que a sua consulta fosse viabilizada.

Os médicos reclamam a redução de 18 para 12 horas semanais dos turnos nos serviços de urgência, bem como a diminuição dos utentes por médico de família de 1.900 para 1.500 pessoas.

A greve foi convocada pelos dois sindicatos médicos – Sindicato Independente dos Médicos e Federação Nacional dos Médicos.

Desconhece-se, para já, o impacto que a paralisação está a ter nas diferentes ilhas açorianas, uma vez que o governo dos Açores ainda não tem números disponíveis, mas, segundo os sindicatos dos médicos, a greve está a ter uma adesão de cerca de 75% nos cuidados de saúde primários da região Sul e ilhas.

Em declarações à agência Lusa, Guida da Ponte, da comissão executiva da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), revelou os primeiros dados da adesão à greve: “75% dos cuidados de saúde primários”.

 




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
 
Termos e Condições de Uso.